terça-feira, 24 de dezembro de 2019

[cinema] CCBB, 08/01: FELLINI - retrospectiva completa

Restrospectiva completa do cineasta Federico Fellini
 
CCBB Rio de Janeiro – 8 de janeiro a 3 de fevereiro

Começar uma nova década (re)vendo todos os longas-metragens dirigidos por Federico Fellini é uma felicidade. O público do CCBB Rio de Janeiro terá essa sorte logo após a virada do ano - no dia 8 de janeiro começa a mostra em homenagem aos 100 anos de nascimento do mestre italiano, comemorados em 20 de janeiro de 2020. Uma oportunidade única de assistir, na sala de cinema, vários clássicos do cinema mundial, de mergulhar no mundo felliniano, com suas histórias e personagens fascinantes. Após o Rio de Janeiro, a mostra segue para São Paulo – CCBB (26/02 a 23/03) e CineSesc (12 a 18/03) - e CCBB Brasília (24/03 a 19/04). O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura

A retrospectiva FELLINI, IL MAESTRO tem curadoria de Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida, produção da Voa e apresentará 24 títulos, desde o filme de estreia de Fellini - Mulheres e Luzes (1950), codirigido com Alberto Lattuada, até o último deles - A Voz da Lua (1990), incluindo obras-primas estreladas por parceiros constantes como Marcello Mastroianni e Giulietta Masina, sua esposa, e embaladas pela música de Nino Rota. A mostra exibirá também o documentário Fellini: A Director's Notebook (1969), no qual o próprio Fellini comenta seu processo de trabalho e passeia por seus lugares preferidos em Roma.

A programação ainda reserva boas surpresas, todas gratuitas: um curso de três dias - 22 a 24/01, das 14h às 16h -, com o professor e pesquisador Hernani Heffner, (inscrições pelo e-mail felliniccbbrj@gmail.com);um debate, no dia 30/1, às 19h, com Hernani Heffner e a Profª Drª India Mara Martins, mediação de Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida e tradução para LIBRAS; e um super livro-catálogo de mais de 400 páginas com artigos críticos, ensaios, entrevistas, filmografia, fotos etc. Para ganhar o catálogo, basta juntar cinco ingressos de sessões da mostra.
Um dos maiores sucessos da carreira de Fellini, Amacord, que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, terá uma “sessão inclusiva” no dia 29 de janeiro, às 16h, com audiodescrição, legendagem descritiva e tradução para LIBRAS. A entrada será franca.

O curador Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida destaca que “Federico Fellini é reconhecido como um dos maiores e mais influentes cineastas de todos os tempos, cujos filmes, que trazem um olhar altamente pessoal e idiossincrático sobre a sociedade, são uma combinação única de memória, sonhos, fantasia e desejo. O adjetivo felliniano é sinônimo de qualquer tipo de imagem extravagante, barroca ou fantasiosa no cinema ou na arte em geral. A Doce Vida lançou um novo termo – paparazzi, derivado de Paparazzo, o fotógrafo amigo do jornalista Marcello Rubini, vivido por Mastroianni”.

Federico Fellini (1920 – 1993) – um resumo de sua carreira

Cena de "Noites de Cabíria"
Abismo de Um Sonho (1952) foi o primeiro longa-metragem que Fellini assinou sozinho a direção. Logo depois, em 1953, ele lançou Os Boas-Vidas (1953), que iniciou, com o Leão de Prata no Festival de Veneza, uma sucessão de prêmios em sua carreira. O primeiro Oscar de Melhor Filme estrangeiro veio com A Estrada da Vida (1954). Para Noites de Cabíria (1957), Fellini se inspirou nas notícias de uma cabeça de mulher decepada e nas histórias contadas por Wanda, a prostituta que conheceu no set de A Trapaça(1955). Noites de Cabíria ganhou o Oscar de Melhor Filme estrangeiro e, Giuletta Masina, o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes. 

O fenômeno da Hollywood no Tibre, em 1958, em que estúdios americanos lucravam com o trabalho barato em Roma, permitia que jornalistas roubassem fotos de celebridades na Via Veneto. Daí veio a inspiração para A Doce Vida (1960) um sucesso de bilheteria que ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes e eternizou a cena de Anita Ekberg na Fontana di Trevi.

Em carta a Brunello Rondi, Fellini esboçou suas ideias sobre um homem sofrendo de bloqueio criativo. Ele se decidiu pelo título auto-referencial 8 1⁄2, mas não sobre o que o personagem fazia para viver. Fellini narraria tudo o que lhe havia acontecido: faria um filme sobre um diretor que não sabe mais qual filme ele quer fazer. 8 1⁄2 ganhou os Oscars de Melhor Filme Estrangeiro e de Melhor Figurino.

Julieta dos Espíritos (1967) foi seu primeiro filme a cores. Em março de 1971, Fellini começou a produção de Roma, coleção aleatória de episódios inspirados pelas memórias e impressões do diretor sobre a cidade. 

Cena de "A Voz da Luz"
Em 1973, Fellini dirigiu Amarcord, vagamente baseado em seu ensaio autobiográfico “Minha Rimini”. Em 1989, realizou A Voz da Luz, seu último filme. Em 1993, Fellini ganhou um Oscar Honorário, em reconhecimento pela sua carreira. 

“A grande descoberta de Fellini após seu período neo-realista foi o trabalho de Carl Jung. Depois de conhecer o psicanalista Ernst Bernhard, no começo dos anos 1960, Fellini leu a autobiografia de Jung, Memórias, Sonhos, Reflexões, e experimentou LSD. Bernhard também recomendou que Fellini consultasse o I Ching e mantivesse um registro de seus sonhos. O foco de Bernhard na psicologia junguiana provou-se a maior influência no estilo maduro de Fellini e marcou o ponto de virada em sua obra do neo-realismo para o onírico. Como consequência, as ideias de Jung sobre o anima e o animus, o papel dos arquétipos e o inconsciente coletivo influenciou diretamente filmes como 8 1⁄2 (1962), Julieta dos Espíritos (1965), Fellini Satyricon (1969), Casanova de Fellini (1976) e Cidade das Mulheres (1980)”, comenta o curador Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida. 

Federico Fellini morreu em Roma, em 31 de outubro de 1993, ao 73 anos, de ataque cardíaco, um dia depois da celebração dos 50 anos de casamento com Giulietta Masina. O funeral, no Estúdio 5 da Cinecittà, seu favorito, atraiu 70 mil pessoas. Cinco meses depois, Giulietta faleceu de câncer no pulmão. Fellini, Masina e o filho Pier Federico estão enterrados na entrada principal do cemitério de Rimini. 


SOBRE O CCBB 

Inaugurado em 12 de outubro de 1989, o Centro Cultural Banco do Brasil celebra 30 anos de atuação com mais de 50 milhões de visitas. Instalado em um edifício histórico, projetado pelo arquiteto do Império, Francisco Joaquim Bethencourt da Silva, o CCBB é um marco da revitalização do centro histórico da cidade e mantém uma programação plural, regular, acessível e de qualidade. Mais de três mil projetos já foram oferecidos ao público nas áreas de artes visuais, cinema, teatro, dança, música e pensamento. Desde 2011, o CCBB incluiu o Brasil no ranking anual do jornal britânico The Art Newspaper, projetando o Rio entre as cidades com as mostras de arte mais visitadas do mundo. Agente fomentador da arte e da cultura brasileira, segue em compromisso permanente com a formação de plateias, incentivando o público a prestigiar o novo e promovendo, também, nomes da arte mundial. 


OS FILMES DA MOSTRA

·      A Voz da Lua (La voce della luna, 1990, 122 min) Direção: Federico Fellini 
·      Entrevista (Intervista, 1987, 108 min) Direção: Federico Fellini 
·      Ginger e Fred (idem, 1986, 125 min) Direção: Federico Fellini 
·      E la Nave Va (idem, 1983, 132 min) Direção: Federico Fellini 
·      Cidade das Mulheres (La città delle donne, 1980, 139 min) Direção: Federico Fellini 
·      Ensaio de Orquestra (Prova d’orchestra, 1978, 70 min) Direção: Federico Fellini 
·      Casanova de Fellini (Il Casanova di Federico Fellini, 1976, 155 min) Direção: Federico Fellini 
·      Amarcord (idem, 1973, 123 min) Direção: Federico Fellini 
·      Roma de Fellini (Roma, 1972, 120 min) Direção: Federico Fellini 
·      I Clowns (idem, 1970, 92 min) Direção: Federico Fellini 
·      Satyricon de Fellini (Fellini - Satyricon, 1969, 129 min) Direção: Federico Fellini 
·      Fellini: A Director's Notebook (1969) Direção: Federico Fellini 
·      Histórias Extraordinárias (Histoires extraordinaires, 1965, 121 min) Direção: Federico Fellini, Roger Vadim e Louis Malle 
·      Julieta dos Espíritos (Giulietta degli spiriti, 1965, 137 min) Direção: Federico Fellini 
·      81⁄2 (idem, 1962, 138 min) Direção: Federico Fellini 
·      Boccacio 70 (idem, 1962, 205 min)
Direção: Federico Fellini, Vittorio De Sica, Luchino Visconti e Mario Monicelli 
·      A Doce Vida (La dolce vita 1960, 174 min) Direção: Federico Fellini 
·      Noites de Cabíria (Le notti di Cabiria, 1957, 110 min) Direção: Federico Fellini 
·      A Trapaça (Il bidone, 1955, 113 min) Direção: Federico Fellini 
·      A Estrada da Vida (La strada, 1954, 108 min) Direção: Federico Fellini 
·      Os Boas-Vidas (I vitelloni, 1953, 107 min) Direção: Federico Fellini 
·      Amores na Cidade (L'amore in città 1953, 115 min)
Direção: Federico Fellini, Michelangelo Antonioni, Alberto Lattuada, Carlo Lizzani, Dino Risi, Francesco Maselli, Cesare Zavattini 
·      Abismo de Um Sonho (Lo sceicco bianco, 1952, 86 min) Direção: Federico Fellini 
·      Mulheres e Luzes (Luci del varietà, 1950, 93 min) Direção: Federico Fellini e Alberto Lattuada 



Fellini, Il Maestro
Patrocínio: Banco do Brasil
Apoio: CineSesc SP, Cinemateca do MAM e Instituto Italiano de Cultura do Rio de Janeiro
Curadoria: Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida
Produção: Voa
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro
De 8 de janeiro a 3 de fevereiro de 2020
Rua Primeiro de Março 66, Centro, tel (21) 3808-2020 
Salas de Cinema 1 (98 lugares)  
Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia entrada) 

FONTE:  
Claudia Oliveira
  
Assessoria de Imprensa CCBB Rio de Janeiro 

SHARE THIS

0 comentários:

Latest Posts

Cloud Labels

especiais (78)