sexta-feira, 15 de julho de 2022

'O Rio de Janeiro de Ho Chi Mihn', de Cláudia Mattos, um filme no limite entre ficção e realidade


O filme "O Rio de Janeiro de Ho Chi Minh", de Cláudia Mattos - em cartaz desde o dia 14 de julho nos cinemas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Aracajú, Salvador, Tocantins e Curitiba - apresenta uma reflexão sobre a linguagem e estética do documentário, assim como os limites entre realidade e ficção, através de uma história surpreendente: o encontro de um brasileiro sobrevivente da revolta da chibata com um jovem indochinês, a bordo de um navio francês, que iria mudar a história do Vietnã.

Narrado pelo ator e diretor Luiz Antônio Pilar, filho da atriz Léa Garcia, o longa conta a trajetória de Sebastião Luiz dos Santos, cozinheiro da marinha mercante e avô de Pilar. Mais conhecido pelo apelido de "Faca Cega", Sebastião participou da revolta da chibata, levante dos marinheiros no Rio de Janeiro, que ocorreu em novembro de 1910. O motivo era, principalmente, a violenta punição praticada pelo oficialato contra os marujos, compostos em grande parte por negros escravos recém libertos. Após o levante, muitos foram presos, mortos ou enviados para trabalhos forçados nos seringais da Amazônia. Faca Cega fugiu a bordo de um navio francês, indo parar no Vietnã. Foi quando teria conhecido o jovem Ho Chi Minh. 

Pelo prisma de Faca Cega, o homem que comandou a revolução de agosto de 1945, liderando o movimento de independência, fundando a República Democrática do Vietnã e lutando contra o poderio da França e dos EUA, era um indochinês boa praça, que jogava futebol, gostava de cinema e que frequentou as rodas de samba no Rio de Janeiro. 

A narrativa, sempre  em primeira pessoa, mostra a busca de Pilar em provar que o avô, que foi um militante do partido comunista brasileiro, teria sido o responsável por apresentar as ideias socialistas para o jovem Ho Chi Minh. Tudo isso entre idas e vindas, buscas e constatações, verdades, meia verdades e mentiras. Num jogo de resgate e construção da memória, Luiz Antônio Pilar investe no documentário ficcional (ou seria ficção documental?) para recordar momentos da história e encontrar respostas de um passado obscurecido que ligaria a trajetória do ex-cozinheiro da marinha ao líder vietnamita.

O longa de Cláudia Mattos,  que além de dirigir também assina o roteiro do filme, com supervisão de direção de Eduardo Vaisman, trabalha com a perspectiva do documentário de personagem, estética cinematográfica baseada na performance, popularizado pelo documentarista Eduardo Coutinho. 

Na performance proposta por Mattos e Pilar, seus agentes relatam o vivido, o não vivido e o possível, porém improvável. Entre relatos de traumas e encenações enunciativas, utilizando depoimentos construídos e espontâneos, a cineasta desenvolve uma teia de informações que se entrecruzam, fazendo-nos crer e, ao mesmo tempo, sempre duvidar da história da amizade entre Faca Cega e Ho Chi Mihn. 

Utilizando depoimento de atores e não atores, personagens controversos como a própria figura dos realizadores, eles se desafiam mutuamente e desafiam o espectador num jogo de palavras, contando mentiras, suposições e desconfianças. A produção abusa do making off, que funciona como uma espécie de portal para desvendar o que há de ficcional e documental na narrativa.

A estética documental captando imagens do cotidiano, trazendo alguns registros históricos e dando voz a diversos interlocutores sobre determinado assunto causa um certo "efeito de real". Contudo, nos fazem lembrar que essa representação da realidade é nada mais que uma construção cinematográfica, recorte a partir de um olhar e de uma narrativa que é fragmentar, conduzindo a um certo tipo de encenação. 

Através do relatos, arquivos documentais, dramatizações e da viagem da equipe de filmagem  ao Vietnã,  o espectador pode se deixar seduzir pelas diversas narrativas que se sobrepõem. No transcorrer desse percurso entre Brasil e Vietnã, os realizadores captam imagens e registram entrevistas.  Tudo nos faz refletir sobre o destino dos personagens e as realidades políticas que os separaram: de um lado, o Brasil de Faca Cega; e do outro, o Vietnã de Ho Chi Mihn. O filme nos instiga nesse quebra-cabeça cinematográfico e é um interessante exercício do olhar e do estilo documental. 

Elisabete Estumano Freire.







SHARE THIS

0 comentários:

AGENDA (Festivais, mostras, concursos)

EVENTOS (Teatro, música, audiovisual)

ARTES E ARTISTAS (EVENTOS, LANÇAMENTOS, CURSOS)

LITERATURA (Eventos, Lançamentos, Dicas de leitura)

CINECLUBES (PROGRAMAÇÃO, EVENTOS)

Arquivo do blog

Cloud Labels

especiais (105)