sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Confira a programação de filmes da TV BRASIL (14 a 19/01)

Entre os destaques, o filme de coprodução "Histórias que só existem quando lembradas",  dirigido pela cineasta brasileira Julia Murat.


Segunda (14) – 22h45 – Histórias que só existem quando lembradas – drama (Cine Verão)
- Terça (15) – 22h45 – A Vida é Bela – comédia dramática (Cine Verão)
- Quarta (16) – 22h45 – Frida – drama biográfico (Cine Verão)
- Quinta (17) – 22h45 – Como Água para Chocolate – drama (Cine Verão)
- Sexta (18) – 22h45 – O Fabuloso Destino de Amélie Poulain – comédia romântica (Cine Verão)
- Sábado (19) – 16h00 – O Jeca Macumbeiro – comédia (Cine Mazzaropi)
______________
Segunda-feira, 14 de janeiro 

Cine Verão – Histórias que só existem quando lembradas
22h45, na TV Brasil

País: Brasil, Argentina e França. Ano: 2011. Gênero: drama. Direção: Julia Murat. Elenco: Sonia Guedes, Lisa Fávero, Luiz Serra, Ricardo Merkin, Antônio dos Santos, Nelson Justiniano, Maria Aparecida Campos, Manoelina dos Santos, Evanilde Souza, Julião Rosa, Elias dos Santos, Pedro Igreja.

Como todos os dias, Madalena (Sonia Guedes) faz pão para o armazém do Antônio (Luiz Serra). Depois, ela segue sua rotina: atravessa o trilho onde o trem já não passa há anos, limpa o portão do cemitério trancado, ouve o sermão do padre Josias (Ricardo Merkin) e almoça junto com os outros velhos habitantes da cidade. 

Vivendo da memória do marido morto, Madalena é acordada por Rita (Lisa Fávero), uma jovem fotógrafa que chega na cidade fantasma de Jotuomba, onde o tempo parece ter parado. A região fica no Vale do Paraíba, no estado do Rio de Janeiro onde, nos anos 1930, as até então ricas fazendas de café foram à falência, derrubando a economia local.

Primeiro longa de ficção dirigido pela cineasta Julia Murat, filha da renomada de diretora Lucia Murat, o drama "Histórias que só existem quando lembradas" participou de mais de 80 festivais de cinema e conquistou mais de 30 prêmios em sua trajetória no circuito internacional da sétima arte.

Com roteiro de Julia Murat, Maria Clara Escobar e Felipe Sholl, a coprodução de Brasil, Argentina e França foi inspirada no realismo fantástico latino-americano, em especial na obra de autores como Gabriel García Márquez e Juan Rulfo.

Inédito. 97 min.
Classificação indicativa: 10 anos
Horário: 22h45



Terça-feira, 15 de janeiro

Cine Verão – A Vida é Bela
22h45, na TV Brasil

País: Itália. Ano de estreia: 1997. Gênero: comédia dramática. Direção: Roberto Benigni. Elenco: Roberto Benigni, Nicoletta Braschi, Giorgio Cantarini, Giustino Durano, Sergio Bini Bustric, Marisa Paredes, Horst Buchholz, Amerigo Fontani, Pietro De Silva.

Na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial, o judeu Guido é capturado e mandado para um campo de concentração em berlim, juntamente com seu filho, o pequeno Giosué.

Usando sua inteligência, espirituosidade e bom humor, ele faz com que o filho acredite que ambos estão participando de um jogo do qual devem sair campeões, sem que o menino perceba os horrores do regime nazista.

Vencedor de três prêmios Oscar nas categorias Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Ator e Melhor Trilha Sonora, o longa "A Vida é Bela" foi protagonizado e dirigido pelo ator italiano Roberto Benigni em uma atuação primorosa que lhe rendeu o prêmio.

Entre os principais reconhecimentos, o drama conquistou ainda o Grande Prêmio do Júri no Festivak de Cannes, o CÉSAR de Melhor Filme Estrangeiro e o Goya de Melhor Filme Europeu.

Inédito. 116 min.
Classificação Indicativa: Livre
22h45, na TV Brasil


Quarta-feira, 16 de janeiro

Cine Verão – Frida
22h45, na TV Brasil

Ano: 2002. Gênero: drama biográfico. Direção: Julie Taymor. Elenco: Salma Hayek, Alfred Molina, Geoffrey Rush, Antonio Bandeiras, Ashely Judd, Edward Norton.

Frida Kahlo (Salma Hayek) foi um dos principais nomes da história artística do México. Conceituada e aclamada como pintora, ela transformou a própria dor em arte.

Frida retratava em sua obra todo o seu sofrimento e acontecimentos de sua vida. Ela se negou a viver de acordo os padrões da sua época o que a tornou um importante referência para as mulheres no século XX.

A artista teve um agitado casamento aberto com Diego Rivera (Alfred Molina), seu companheiro também nas artes, e ainda um controverso caso com o político Leon Trostky (Geoffrey Rush), além de relacionamento com várias outras mulheres.

Com grande elenco, formado por nomes como Salma Hayek, Alfred Molina, Geoffrey Rush, Antonio Bandeiras, Ashely Judd e Edward Norton, o filme acompanha a trajetória de Frida Kahlo da adolescência até a sua morte em 1954.

Na trama, o esposo Diego Rivera se mostra um homem muito mulherengo, mas ela o aceita exigindo apenas lealdade. Frida pede o divórcio ao flagrá-lo com sua irmã.

Inspirado na biografia Frida escrita por Hayden Herrera, o filme dirigido por Julie Taymor conquistou vários prêmios importantes da sétima arte no circuito internacional.

A produção foi reconhecida com o Oscar nas categorias Melhor Maquiagem e Melhor Trilha Sonora Original. Já no Globo de Ouro, venceu como Melhor Trilha Sonora para Cinema enquanto no BAFTA recebeu o preêmio de Melhor Maquiagem.

Inédito. 123 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 22h45


Quinta-feira, 17 de janeiro

Cine Verão – Como Água para Chocolate
22h45, na TV Brasil

País: México. Ano de estreia: 1992. Gênero: drama. Direção: Alfonso Arau. Elenco: Marco Leonardi, Lumi Cavazos, Regina Torné, Mario Iván Martínez, Ada Carrasco, Yareli Arizmendi, Claudette Maillé.

Tita (Lumi Cavazos) nasceu na cozinha da casa da família, quando sua mãe estava cortando cebolas. Logo em seguida, seu pai morreu de um ataque cardíaco ao ter sua paternidade questionada. Por essa razão, Tita tornou-se vítima de uma tradição local, que dizia que a filha mais nova não poderia casar para cuidar da mãe até a sua morte.

Ao crescer, Tita se apaixona por Pedro Muzquiz (Marco Leonardi), que corresponde e quer se casar com ela. A mãe da moça, porém, proíbe o casamento, e sugere que ele se case com Rosaura (Yareli Arizmendi), a irmã dois anos mais velha de Tita. O rapaz aceita, pois esta é a única maneira de se manter perto da amada Tita.

Baseado no romance homônimo escrito por Laura Esquivel, o drama mexicano "Como Água para Chocolate" foi indicado ao Globo de Ouro e ao BAFTA de Melhor Filme Estrangeiro. A produção também concorreu ao Goya de Melhor Filme Estrangeiro de Língua Espanhola.

O longa dirigido por Alfonso Arau conquistou prêmios no Festival de Gramado nas categorias de Melhor Atriz (Lumi Cavazos) e Melhor Atriz Coadjuvante (Claudette Maillé). Também foi escolhido o Melhor Filme pelo Júri Popular. Ainda foi indicado ao Kikito na categoria de Melhor Filme Latino.

Inédito. 105 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 22h45


Sexta-feira, 18 de janeiro

Cine Verão – O Fabuloso Destino de Amélie Poulain
22h45, na TV Brasil

Países: França e Alemanha. Ano: 2001. Gênero: comédia romântica. Direção Jean-Pierre Jeunet. Elenco: Audrey Tautou, Robert Gendreu, Clotilde Mollet, Mathieu Kassovitz, Rufus, Lorella Cravotta, Serge Merlin, Jamel Debbouze, Isabelle Nanty, Maurice Bénichou.

Após deixar a vida de subúrbio que levava com a família, a inocente Amélie (Audrey Tautou) muda-se para o bairro parisiense de Montmartre, onde começa a trabalhar como garçonete.

Certo dia encontra uma caixa escondida no banheiro de sua casa e, pensando que pertencesse ao antigo morador, decide procurá-lo e é assim que encontra Dominique (Maurice Bénichou).

Ao ver que ele chora de alegria ao reaver o seu objeto, a moça fica impressionada e adquire uma nova visão do mundo. Então, a partir de pequenos gestos, ela passa a ajudar as pessoas que a rodeiam, vendo nisto um novo sentido para sua existência. Contudo, ainda sente falta de um grande amor.

Clássico do cinema, o longa "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain" conquistou dois prêmios no BAFTA nas categorias Melhor Roteiro Original e Melhor Desenho de Produção. Foi ainda indicado ainda em outras sete categorias.

Com treze indicações ao CÉSAR e cinco indicações ao Oscar, o filme também teve uma indicação ao Globo de Ouro. A obra foi reconhecida com o Prêmio de Público no Festival de Toronto e o Prêmio da Audiência no Festival de Edimburgo.

Inédito. 122 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 22h45


Sábado, 19 de janeiro

Cine Mazzaropi – Jeca Macumbeiro
16h00, na TV Brasil

Ano: 1974. Gênero: comédia. Direção: Amácio Mazzaropi e Pio Zamuner, com Amácio Mazzaropi, Gilda Valença, Joffre Soares, Selma Egrei, Ivan Lima, José Mauro Ferreira, Maria do Roccio.

No filme "O Jeca Macumbeiro", Amácio Mazzaropi é Pirola, um caboclo paupérrimo que vive em um casebre na fazenda de seu patrão, o coronel Januário.

A filha de Pirola, Filomena, é casada com Mário, filho do coronel. Um dia, Pirola recebe de Nhonhô, um velhinho amigo, a notícia de que será herdeiro e quando aceita um saco cheio de dinheiro, resolve deixá-lo na guarda do patrão.

Para apropriar-se do dinheiro de Pirola, o Coronel Januário se passa por um pai-de-santo pra lá de fajuto. O filme foi uma sátira ao enorme sucesso de "O Exorcista" e bateu a arrecadação deste nos cinemas do Brasil.

Reprise. 87 min.
Classificação Indicativa: Livre
16h00, na TV Brasil
_____


Fonte: Fernando Lima Barros Chaves/ TV BRASIL.

SHARE THIS

0 comentários:

Popular Posts

Cloud Labels

especiais (77)