Our social:

sábado, 8 de setembro de 2018

Confira a programação de filmes da TV Brasil (08 a 15/09)


Entre os destaques, o documentário "Luz, Anima, Ação"(2013), dirigido por Eduardo Calvet, que apresenta a história da animação brasileira desde 1917 até obras contemporâneas, como o filme "Rio", de Carlos Saldanha.



Filmes da TV Brasil 8 a 15 de setembro de 2018


Sábado, 8 de setembro

Uma Pistola para Djeca
16h00, na TV Brasil
1h00, na TV Brasil (madrugada de sábado para domingo)

Ano de estreia: 1969. Gênero: comédia. Direção: Ary Fernandes. Elenco: Amácio Mazzaropi, Nello Pinheiro, Elizabeth Hartman, Patricia Mayo, Rogério Camara.

Amácio Mazzaropi interpreta Gumercindo, um homem pobre e honesto que tem sua filha seduzida pelo filho do fazendeiro. A garota fica grávida, mas a criança é motivo de chacotas por não ter pai.

O patrão acaba expulsando o trabalhador de suas terras e Gumercindo se une à fazendeiros vizinhos para o ajuste de contas. Agora a justiça deverá ser feita, só será preciso que algum louco dê “Um Pistola para Djeca”.

Reprise. 90 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horários: 16h00/ 1h00 (madrugada de sábado para domingo)

 _____________________________


Sábado, 8 de setembro

No Paraíso das Solteironas
23h30, na TV Brasil

Ano de estreia: 1969. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner. Elenco: Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Átila Iório, Carlos Garcia, Elizabeth Hartman.

Um homem acostumado à vida do interior não poderia imaginar que, ao tentar a sorte na cidade grande, seria objeto do desejo de uma turma de solteironas. O personagem de Mazzaropi ainda se envolve em confusões com a dona do hotel e é colocado às voltas com uma quadrilha e um grupo de ciganos.

Reprise. 95 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 23h30

 _______________________


Sábado, 8 de setembro (madrugada de sábado para domingo)

Luz, Anima, Ação
3h00, na TV Brasil

Ano de estreia: 2013.
Gênero: documentário/animaçãoDireção:Eduardo Calvet. Elenco: Carlos Saldanha, Maurício de Souza, Otto Guerra.

O documentário conta a história da animação brasileira, desde o pioneirismo de Álvaro Marins em O Kaiser, em 1917, até as celebradas obras contemporâneas, como Rio (2011), de Carlos Saldanha. Fazendo um mapeamento em quase um século de produções animadas, e contando com depoimentos de personalidades desta área, a produção resgata uma série de raras imagens de arquivo, restaurando produções que já pensavam estarem perdidas para sempre. Um retrato de ricas histórias e personagens que fazem parte da cultura brasileira.

Através de entrevistas com personalidades consagradas da área, o filme resgata a fabulosa trajetória da animação brasileira desde o pioneiro “O Kaiser” (1917), dirigido por Álvaro Marins, até o atual boom produtivo de filmes e seriados voltados ao mercado internacional. Entre os artistas presentes em depoimento estão: Carlos Saldanha (“Rio”), Mauricio de Sousa (“As Aventuras Da Turma da Mônica”), Otto Guerra (“Wood & Stock”), Andres Lieban (“Meu Amigãozão”) e Marcos Magalhães (criador do Anima Mundi, um dos mais importantes festivais do gênero no mundo).

Não foram esquecidos os imortais filmes produzidos pela publicidade, como as  gotinhas da Esso (ainda na década de 1950), o frio que bate à porta das Casas Pernambucanas,  o famoso frango da Sadia, o simpático Sujismundo, o realismo da tartaruga e do caranguejo em 3D da Brahma e a beleza de cores da Faber Castell, ao som de “Aquarela”, entre diversas animações ontológicas que também dão o ar de sua graça. Também presente está a arte da vanguarda brasileira e de seus artistas, que marcaram essa trajetória com a inovação, a contestação e a experimentação de suas épocas.

Reprise. 100 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 3h00

 ______________________

Segunda-feira, 10 de setembro

Às Seis da Tarde, Depois da Guerra
23h45, na TV Brasil

País de origem: União Soviética. Ano de estreia: 1944. Gênero: drama/romance. Direção: Ivan Pyryev. Elenco: Evgueny Samoilov, Marina Ladynina, Ivan Lyubeznov.

Na despedida, eles juraram reencontrar-se, não importa o que acontecesse, às seis horas da tarde depois do final da Segunda Guerra Mundial, na Ponte da Pedra, em Moscou.

Seria a promessa capaz de resistir aos golpes do destino, durante os anos de terríveis combates? Partindo deste tema pouco convencional para um musical, a parceria entre o diretor Ivan Pyryev e o compositor Tikkon Khrennikov repetiu o êxito de “Encontro em Moscou”, realizado em 1941.

“Às Seis da Tarde, Depois da Guerra” foi lançado em 1944. A guerra só terminaria no ano seguinte.

Reprise. 100 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 23h45

 _____________________

Terça-feira, 11 de setembro

Estradeiros
23h45, na TV Brasil

Ano de estreia: 2011. Gênero: documentário. Direção: Renata Pinheiro e Sergio Oliveira.

Estradeiros é um documentário de longa metragem sobre uma tribo nômade que percorre grande parte do Brasil e também da  America Latina.

Constituída por indivíduos de diversas origens, os integrantes dessa tribo vestem-se de maneira muito peculiar com roupas puídas, quase sempre sujas, cabelos desgrenhados e andam quase sempre a pé. Os membros da tribo vendem suas artes em práticos mostruários de tecido que carregam por todos os lugares por onde passam.

O documentário nacional utiliza uma narrativa que interpreta a geografia, a organização política e social, a mitologia e a (possível) cosmogonia de uma tribo que, diga-se de passagem, não se reconhece como tal.

Inédito. 79 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 23h45

 _____________________

Quarta-feira, 12 de setembro

O Grande Xerife
23h45, na TV Brasil

Ano de estreia: 1972. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner. Elenco:  Amácio Mazzaropi, Patricia Mayo, Paulo Bonelli, Tony Cardi, Augusto César Ribeiro.

Amácio Mazzaropi interpreta Poróroca, um viúvo pai de Mariazinha. Ele é o morador mais antigo de Vila do Céu onde vive cuidando da vida dos outros. Um dia, chega na cidade, disfarçado de padre, o bandidão João Bigode.

O maldoso mata o xerife e põe Poróroca em seu lugar. A confusão está armada e só o nosso Grande Xerife pode proteger a cidade.

Reprise. 95 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 23h45





 _________________________

Quinta-feira, 13 de setembro

Um Pedaço de Azul
23h45, na TV Brasil

País de origem: Nicarágua. Título original: Un Trozo de Azul. Ano de estreia: 2018. Gênero: documentário. Direção: Florence Jaugey.

Um grupo de pessoas em situação de deficiência psicossocial faz parte de uma oficina de música no teatro municipal da cidade de León, na Nicarágua. A dinâmica compartilhada neste lugar protegido e os efeitos da música em seu comportamento criam uma atmosfera de confiança e cumplicidade que os leva a se expressar sobre o que significa viver com a doença mental diariamente.

Inédito. 54 min.
Classificação Indicativa: 12 anos
Horário: 23h45

 __________________________
Sábado, 15 de setembro

Um caipira em Bariloche
16h00, na TV Brasil

Ano de estreia: 1973. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner e Amácio Mazzaropi. Elenco: Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Beatriz Bonnet, Ivan Mesquista, Carlos Valone.

Fazendeiro ingênuo, Polidoro cai na conversa do genro e vende suas terras para um vigarista que engana a todos, inclusive sua própria esposa, uma argentina honesta e desiludida com o amor.

Por pura armação, os dois acabam indo parar em Bariloche e lá na neve, em meio a confusões e gargalhadas, o caipira começa a juntar os fatos e retorna para desmascarar os vilões.

A comédia promete muitas risadas e momentos de diversão, intriga e suspense para a plateia. O longa “Um caipira em Bariloche” foi uma das maiores bilheterias de toda a carreira do saudoso humorista Amácio Mazzaropi.

Reprise. 100 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 16h00

 _____________________


Sábado, 15 de setembro

O Grande Xerife
23h30, na TV Brasil

Ano de estreia: 1972. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner. Elenco:  Amácio Mazzaropi, Patricia Mayo, Paulo Bonelli, Tony Cardi, Augusto César Ribeiro.

Amácio Mazzaropi interpreta Poróroca, um viúvo pai de Mariazinha. Ele é o morador mais antigo de Vila do Céu onde vive cuidando da vida dos outros. Um dia, chega na cidade, disfarçado de padre, o bandidão João Bigode.

O maldoso mata o xerife e põe Poróroca em seu lugar. A confusão está armada e só o nosso Grande Xerife pode proteger a cidade.

Reprise. 95 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 23h30


 __________________________

Sábado, 15 de setembro (madrugada de sábado para domingo)

Um caipira em Bariloche
1h00, na TV Brasil

Ano de estreia: 1973. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner e Amácio Mazzaropi. Elenco: Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Beatriz Bonnet, Ivan Mesquista, Carlos Valone.

Fazendeiro ingênuo, Polidoro cai na conversa do genro e vende suas terras para um vigarista que engana a todos, inclusive sua própria esposa, uma argentina honesta e desiludida com o amor.

Por pura armação, os dois acabam indo parar em Bariloche e lá na neve, em meio a confusões e gargalhadas, o caipira começa a juntar os fatos e retorna para desmascarar os vilões.

A comédia promete muitas risadas e momentos de diversão, intriga e suspense para a plateia. O longa “Um caipira em Bariloche” foi uma das maiores bilheterias de toda a carreira do saudoso humorista Amácio Mazzaropi.

Reprise. 100 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 1h00


_______________________________


Sábado, 15 de setembro (madrugada de sábado para domingo)

Estradeiros
3h00, na TV Brasil

Ano de estreia: 2011. Gênero: documentário. Direção: Renata Pinheiro e Sergio Oliveira.

Estradeiros é um documentário de longa metragem sobre uma tribo nômade que percorre grande parte do Brasil e também da  America Latina.

Constituída por indivíduos de diversas origens, os integrantes dessa tribo vestem-se de maneira muito peculiar com roupas puídas, quase sempre sujas, cabelos desgrenhados e andam quase sempre a pé. Os membros da tribo vendem suas artes em práticos mostruários de tecido que carregam por todos os lugares por onde passam.

O documentário nacional utiliza uma narrativa que interpreta a geografia, a organização política e social, a mitologia e a (possível) cosmogonia de uma tribo que, diga-se de passagem, não se reconhece como tal.

Reprise. 79 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 3h00

Fonte: Fernando Lima Barros Chaves/ TV BRASIL.