Our social:

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Produções da África e Costa Rica são os destaques da programação de filmes da TV Brasil (5 a 11 de Setembro)


Nesta segunda (5), às 23h10, o documentário "São Tomé e Príncipe, Minha Terra, Minha Mãe e Minha Madrasta" revela o drama de ex-contratados cabo-verdianos nas roças de São Tomé e Príncipe.

Já na terça (6), às 22h10, a TV Brasil apresenta o longa "Paula, a história de uma subversiva", dirigido por Francisco Ramalho Jr. 

No próximo sábado (10), a emissora reexibe, às 23h30, o documentário "São Tomé e Príncipe, Minha Terra, Minha Mãe e Minha Madrasta" e, às 4h, a produção uruguaia "Os de sempre".

Por fim, no domingo (11), à meia-noite, o canal estreia o filme da Costa Rica "A sombra do Naranjo" que faz uma reflexão sobre a velhice, a doença e as relações familiares. Em seguida, à 1h, o premiado longa "Virgem Margarida", de Moçambique, aborda o drama de uma jovem camponesa que foi confundida com uma prostituta. 
______________________________________________________________

Segunda-feira, 5 de setembro

São Tomé e Príncipe, Minha Terra, Minha Mãe e Minha Madrasta
23h10, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: documentário. Direção: Júlio Silvão Tavares.

O documentário apresenta o drama de ex-contratados cabo-verdianos, levados aos milhares na primeira metade do século XX como mão de obra para as roças de São Tomé e Príncipe no porão dos barcos, em condições deploráveis.

Na época, a terra natal, Cabo Verde, vivia momentos de seca e fome que atingiram imensas proporções e provocaram milhares de mortes. A ida para o novo país surgia como alternativa.

Mães deixaram filhos, pais abandonaram famílias, irmãos se separaram definitivamente. São Tomé e Príncipe tornou-se, em pouco tempo, num dos maiores produtores mundiais de cacau, com recurso à exploração de mão de obra escrava.

Depois da independência de Portugal muitas das empresas agrícolas foram abandonadas. As roças, que eram a base da economia das ilhas, foram nacionalizadas em 1975 e, muito rapidamente, entraram numa fase de decadência.

Centenas de ex-contratados cabo-verdianos, sem condições de regressar ao seu país, permaneceram em São Tomé em situação cada vez mais precária. Com o tempo o quadro se agravou. Hoje, são retratos vivos de um passado brutal de décadas de exploração e escravatura.

Dirigido por Júlio Sivão Tavares, o documentário busca traçar um quadro realista das consequências dessa derrocada, contado principalmente na primeira pessoa pelos sobreviventes que desejam desesperadamente uma saída para seu calvário.

Inédito. 50 min.
Classificação Indicativa: 12 anos
Horário: 23h10


Terça-feira, 6 de setembro

Paula, a história de uma subversiva
22h10, na TV Brasil

Ano: 1979. Gênero: drama. Direção: Francisco Ramalho Jr., com Walter Marins, Armando Bógus, Marlene França, Regina Braga, Carina Cooper, Helber Rangel, Ilana Scherl, Hugo Della Santa.

O arquiteto Marco Antônio (Walter Martins) enfrenta problemas no trabalho e está vivendo um momento de crise amorosa com a fotógrafa Bia (Regina Braga), uma jovem de temperamento instável. Ele é informado por sua ex-mulher Marta (Marlene França) que a filha do casal, uma menina de quinze anos, desapareceu após ter ido a uma festa.

Com isso, contrata os serviços do policial Oliveira (Armango Bogus) que reconhece Marco Antônio, pois o policial o perseguiu quando o arquiteto era um estudante engajado. Ao se encontrar com o policial, Marco Antonio se lembra de quando o conhecera, há dez anos. Naquela época, Oliveira (Armando Bógus) era um violento agente do DOPS que perseguia e torturava militantes dos movimentos estudantis contrários ao regime de governo da época.

Oliveira fora o principal algoz de Paula (Carina Cooper), ex-aluna e amante de Marco Antonio. A procura pela filha, traz lembranças do passado de Marco: sua militância e seu grande amor.

Dirigido por Francisco Ramalho Jr., o drama “Paula, a história de uma subversiva” é estrelado por Walter Marins, Armando Bógus, Marlene França, Regina Braga, Carina Cooper.

Reprise93 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 22h10



Sábado10 de setembro

São Tomé e Príncipe, Minha Terra, Minha Mãe e Minha Madrasta
23h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: documentário. Direção: Júlio Silvão Tavares.

O documentário apresenta o drama de ex-contratados cabo-verdianos, levados aos milhares na primeira metade do século XX como mão de obra para as roças de São Tomé e Príncipe no porão dos barcos, em condições deploráveis.

Na época, a terra natal, Cabo Verde, vivia momentos de seca e fome que atingiram imensas proporções e provocaram milhares de mortes. A ida para o novo país surgia como alternativa.

Mães deixaram filhos, pais abandonaram famílias, irmãos se separaram definitivamente. São Tomé e Príncipe tornou-se, em pouco tempo, num dos maiores produtores mundiais de cacau, com recurso à exploração de mão de obra escrava.

Depois da independência de Portugal muitas das empresas agrícolas foram abandonadas. As roças, que eram a base da economia das ilhas, foram nacionalizadas em 1975 e, muito rapidamente, entraram numa fase de decadência.

Centenas de ex-contratados cabo-verdianos, sem condições de regressar ao seu país, permaneceram em São Tomé em situação cada vez mais precária. Com o tempo o quadro se agravou. Hoje, são retratos vivos de um passado brutal de décadas de exploração e escravatura.

Dirigido por Júlio Sivão Tavares, o documentário busca traçar um quadro realista das consequências dessa derrocada, contado principalmente na primeira pessoa pelos sobreviventes que desejam desesperadamente uma saída para seu calvário.

Reprise. 50 min.
Classificação Indicativa: 12 anos
Horário: 23h30


Sábado, 10 de setembro (madrugada de sábado para domingo)

Os de sempre
04h00, na TV Brasil

Título original: Los de siempre. País de origem: Uruguai. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: José Pedro Charlo Filipovich.

Num bairro muito humilde e repleto de conflitos em Montevidéu, capital do Uruguai, um grupo de moradores se uniu há vários anos para formar um coral. Muitos dos integrantes têm cerca de 70 anos. Alguns são fundadores do bairro, outros moram lá há muitas décadas e conhecem suas transformações.

A policlínica da região oferece o espaço para os ensaios do grupo. Lá, compartilham vivências. Juntos, superam a solidão e o isolamento. O coral é uma oportunidade para conhecer outras pessoas e lugares e se vincular a elas. Apesar desses momentos de felicidade, após os ensaios ou das atuações em diferentes lugares, os integrantes sempre têm que voltar à dura realidade cotidiana.

Reprise. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 04h00


Domingo, 11 de setembro (madrugada de domingo para segunda-feira)

A sombra do Naranjo
00h00, na TV Brasil

Título original: La sombra del Naranjo. País de origem: Costa Rica. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Patricia Velásques Guzmán.

Seu Oscar Naranjo sempre foi a fortaleza de sua família: ele era uma árvore que acolhia a todos com sua sombra. Depois de um derrame cerebral, a sua vida e a de sua família mudaram radicalmente. O homem passa a ser totalmente dependente dos seus entes queridos.

A nova situação cria tensão na família. O filme mergulha em uma trama em que os familiares terão que enfrentar desafios difíceis para permanecer unidos. Por meio da história dos Naranjo, o documentário dirigido por Patricia Velásques Guzmán faz uma reflexão sobre a velhice, a doença e as relações familiares.

Inédito. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 00h00



Domingo, 11 de setembro (madrugada de domingo para segunda-feira)

Virgem Margarida
01h00, na TV Brasil

Título original: Virgem Margarida. País de origem: Moçambique. Ano: 2014. Gênero: drama. Direção: Licínio Azevedo.

Em 1975, após séculos de colonização portuguesa, Moçambique torna-se um estado independente. O novo regime procura limpar as ruas da prostituição. Assim, 500 prostitutas são enviadas à força para um centro educacional na selva, onde são obrigadas a aprender novas regras de convivência e a redescobrir o seu papel na nova pátria.

Margarida é uma adolescente de 16 anos que foi parar lá por engano quando tentava comprar o enxoval para o seu casamento. Inocente, ela não tem pecados para expiar. Unidas pela adversidade, as mulheres se unem em um plano para escapar daquele lugar infernal. Margarida torna-se a representação de liberdade e de pureza.

Realizado pelo escritor e cineasta Licínio Azevedo, o filme “Virgem Margarida” foi premiado em diversos festivais de cinema internacional. O longa conquistou o Prêmio do Público e Menção Honrosa no Festival de Amiens. O drama ainda ganhou o prêmio de Melhor Filme no Festival de Montreal.

Reprise. 90 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 01h00

________________________________________________________

Fonte: 
Fernando Chaves
Coordenador de Comunicação
Gerência de Comunicação
Empresa Brasil de Comunicação | TV Brasil | Rádios Nacional e ME

Popular Posts

Google+ Followers