domingo, 4 de outubro de 2020

Filmes TV Brasil: 4 a 11 de outubro



  • Domingo (4) – 14h – Sessão Família: “O Segredo dos Diamantes” (2014) – aventura

  • Domingo (4) – 16h30 – Cine Nacional: “Além da Visão” (2016) – documentário

  • Segunda (5) – 4h – Sessão Retrô Madrugada: “Jeca e seu Filho Preto” (1978) – comédia

  • Quarta (7) – 22h30 / 2h30 – “Além da Visão” (2016) – documentário

  • Quarta (7) – 4h – Sessão Retrô Madrugada: “Meu Japão Brasileiro” (1965) – comédia

  • Quinta (8) – 22h30 / 2h30 – Cine Retrô: “Um Caipira em Bariloche” (1973) – comédia

  • Sexta (9) – 4h – Sessão Retrô Madrugada: “Casinha Pequenina” (1963) – comédia

  • Domingo (11) –17h – Cine Nacional: “O Palhaço” (2011) – drama]

__________________

O Segredo dos Diamantes

Domingo, 4 de outubro, às 14h


Ao descobrir sobre uma antiga lenda que descreve o paradeiro de diamantes perdidos, Angelo (Matheus Abreu), de 14 anos, parte em busca do tesouro para salvar a vida do pai. Ele e seus amigos Júlia (Rachel Pimentel) e Carlinhos (Alberto Gouvea) precisarão solucionar o mistério, além de enfrentar o vilão Silvério (Rui Rezende), que também buscará incansavelmente o tesouro.

86 min. Ano: 2014. País: Brasil. Gênero: aventura. Direção: Helvécio Ratton.

_______________________


 Além da Visão

Domingo, 4 de outubro, às 16h30

(Reprise na quarta, dia 7, às 22h30 / 2h30)


Apesar de cego, o adolescente brasileiro Derek Rabelo decide se tornar surfista e embarca em um árduo programa de treinamento de três anos. Seu objetivo é surfar as temidas ondas de Pipeline, no Havaí, ao lado de lendas do surf, como Kelly Slater, Eddie Rothman, CJ Hobgood e Carlos Burle.

Derek, que nasceu sem a visão, sabe surfar, nadar e andar de skate, de bicicleta. Faz tudo o que um jovem de 18 anos pode fazer. Mas o jovem continua decidido a ir além...

Dirigido por Luiz Werneck e Bruno Lemos, o filme conta com depoimentos de Kelly Slater, Carlos Burle, Danilo Couto, Derek Ho, Eddie Rothman, Gabriel Pensador, entre outros.

94 min. Ano: 2016. País: Brasil. Gênero: documentário. Direção: Bruno Lemos, Luiz Werneck.

_____

Jeca e seu filho preto

Segunda, 5 de outubro, às 4h

(Madrugada de segunda para terça)


Em “Jeca e seu filho preto”, o saudoso humorista Amácio Mazzaropi interpreta Zé, o pai de um rapaz (misteriosamente) negro. O fato nunca pareceu o atormentar, mas os outros se incomodam quando seu filho se enamora de uma moça branca, filha de um rico fazendeiro.

Em plenos anos 1970, Amácio Mazzaropi, com seu jeito simples, abordou no cinema a questão do preconceito racial.

104 min. Ano de estreia: 1978. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner. Codireção: Berilo Faccio, com Amácio Mazzaropi, Mazzaropi, Geny Prado, Yara Lins, Elizabeth Hartman, Denise Assunção. Classificação Indicativa: 12 anos.


____

Meu Japão Brasileiro

Quarta, 7 de outubro, às 4h
(Madrugada de quarta para quinta)

Em uma comunidade rural nipo–brasileira, o agricultor 
Fofuca (Mazzaropi) enfrenta a exploração descarada do Sr. Leão, um atravessador que faz o intermédio entre os produtores e o comércio na cidade.
Após muito penar nas mãos de Leão, Fofuca forma com os camponeses uma cooperativa agrícola. Mas Leão e seus filhos não veem com bons olhos essa iniciativa e vão fazer de tudo para impedir que Fofuca e seus amigos tenham êxito nesse “Japão brasileiro.”
102 min. Classificação Indicativa: Livre. Ano: 1965. Gênero: comédia. Direção: Glauko Mirko Laurelli, com Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Célia Watanabe, Zilda Cardoso, Carlos Garcia, Reynaldo Martini, Adriano Stuart Elk Alves, Francisco Gomes, Judith Barbosa, Bob Junior, Ivone Hirata, Luiz Tokio, Luzia Yoshigumi. Classificação Indicativa: 12 anos.


____

Um Caipira em Bariloche

Quinta-feira, 8 de outubro, às 22h30 / 2h30


Fazendeiro ingênuo, Polidoro cai na conversa do genro e vende suas terras para um vigarista que engana a todos, inclusive sua própria esposa, uma argentina honesta e desiludida com o amor.

Por pura armação, os dois acabam indo parar em Bariloche e lá na neve, em meio a confusões e gargalhadas, o caipira começa a juntar os fatos e retorna para desmascarar os vilões.

A comédia promete muitas risadas e momentos de diversão, intriga e suspense para a plateia. O longa “Um caipira em Bariloche” foi uma das maiores bilheterias de toda a carreira do saudoso humorista Amácio Mazzaropi.

100 min. Ano: 1973. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner e Amácio Mazzaropi, com Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Beatriz Bonnet, Ivan Mesquita, Carlos Valone. Classificação Indicativa: 14 anos.


____

Casinha Pequenina”

Sexta-feira, 9 de outubro, às 4h

(Madrugada de sexta para sábado)


Considerado a obra-prima de Mazzaropi, o longa-metragem “Casinha Pequenina” traz um elenco de estrelas e marca a estreia de Tarcísio Meira no cinema. O filme tem o fim da escravidão como pano de fundo e mostra a luta dos abolicionistas contra os interesses dos senhores de engenho.

Ícone da sétima arte no país, Mazzaropi usou a figura do “Jeca” como personagem central em dezenas de produções nacionais.

95 min. Gênero: Comédia. Ano: 1963. Classificação Indicativa: 12 anos.


_____

O Palhaço

Domingo, 11 de outubro, às 17h


O circo itinerante de Valdemar (Paulo José) viaja de vila em vila pelo interior do Brasil. No picadeiro, Valdemar atua como o palhaço Puro Sangue, ao lado do filho, Benjamin (Selton Mello), que faz o palhaço Pangaré.

Sem qualquer documento além da certidão de nascimento, Benjamin nunca conheceu vida fora do circo. Para ele, ser palhaço nunca foi uma opção, mas uma condição inevitável da vida.

Ao começar a questionar sua capacidade de fazer as pessoas rirem e incerto quanto a seu lugar no mundo, Benjamin decide se rebelar. Ele quer descobrir o que há além da tenda do circo, correr riscos, conhecer pessoas e agarrar oportunidades. Então, com o pretexto de encontrar um ventilador e um amor, o jovem põe o pé na estrada. Na aventura, porém, conhece várias pessoas que lhe mostram outras possibilidades e o lembram de um sonho antigo: um dia ter um fã.


Em seu segundo longa-metragem como diretor, Selton Mello aborda em "O Palhaço" a busca por identidade e autoconhecimento. E a necessidade de se abrir mão do velho para abraçar o novo.

Aclamado por crítica e público, o filme conquistou prêmios no Festival de Cinema de Paulínia (2011), Prêmio ABC de Cinematografia (2012), Grande Prêmio Brasileiro de Cinema (2012), Tiburon International Film Festival (2012), Chicago International Festival (2012), entre outros. Em 2015, foi eleito pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) um dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.

88 min. Ano: 2011. País: Brasil. Gênero: Drama, comédia. Direção: Selton Mello. Roteiro: Selton Mello e Marcelo Vindicato.


Fonte: RICARDO RIBEIRO/ TV BRASIL


SHARE THIS

0 comentários:

Latest Posts

Cloud Labels

especiais (79)