quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

NOVO LONGA DE CRISTIANO BURLAN, “A MÃE”, ESTÁ EM FILMAGEM NA CIDADE DE SÃO PAULO


                                     Filme é protagonizado por Marcelia Cartaxo


Maria (Marcelia Cartaxo), uma migrante nordestina que vive na periferia de São Paulo, trabalha como camelô no centro da cidade. Após um dia exaustivo, ela volta para casa e não encontra seu filho Valdo. Depois de procurar na vizinhança e na polícia, onde não obtém nenhuma resposta, ela procura o traficante local, que diz que o filho foi assassinado pela polícia. Incrédula, Maria inicia uma busca incessante para descobrir o paradeiro do filho. 

A MÃE” encontra-se em sua terceira semana de filmagem e dá continuidade ao trabalho desenvolvido por Cristiano Burlan, através de documentários e ficções, para trazer humanidade para essas populações periféricas: “Meu irmão foi assassinado pela polícia em 2001. Dois anos depois, fiz o documentário “MATARAM MEU IRMÃO”. Em 2012, minha mãe foi morta pelo namorado e em 2017 fiz “ELEGIA DE UM CRIME”. Minha história não é uma exceção. A impunidade, o preconceito, a desigualdade, a mídia e os governos transformam essas vidas em números. Mas por trás das estatísticas existem irmãos, amigos, mães e filhos”, diz Burlan. 

"A MÃE " é um longa metragem de ficção sobre o desespero de uma mãe que fará de tudo para recuperar o filho desaparecido. Estrelado por Marcélia Cartaxo, vencedora do urso de prata de melhor atriz no festival de Berlim, e dirigido por Cristiano Burlan, o filme é um mergulho intimista na vida e no luto de uma mulher que ao ver a vida de seu filho abreviada, precisa enfrentar a burocracia opressora das grandes metrópoles para poder vê-lo uma última vez. 

O projeto, iniciado em 2013, participou de laboratórios de desenvolvimento como o 7o Brasil CineMundi e Cinema en Develpment no 29o Cinelatino de Toulouse e foi contemplado no Fomento ao Cinema Paulista de 2017, promovido pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, em conjunto com a Sabesp, e pelo Fundo Setorial do Audiovisual – Produção de Cinema 2018. 

A ditadura civil-militar brasileira terminou há mais de 30 anos. Contudo, a polícia militar, a mais letal do mundo, é uma das instituições remanescentes desse trágico período de nossa história. O genocídio perpetrado contra uma parcela específica da população – jovens, negros, pobres e periféricos – só vem aumentando nos últimos anos. Nas periferias brasileiras, existe uma figura central: as mães. Que dor pode ser mais profunda que o assassinato de um filho? E quando o crime é perpetrado pelo próprio Estado? 

Desde o início do projeto, Cristiano sempre teve em mente o rosto de Marcélia Cartaxo – um rosto que reflete a dureza da vida, mas também sua inocência e compaixão. Além de Marcelia Cartaxo, o filme conta também com Helena Ignez, Henrique Zanoni, Ana Carolina Marinho, Kiko Marques, Hélio Cícero, Mawusi Tulani, Che Mois, Tuna Dwek, Carlos Meceni, entre outros. 

Além de locações no centro de São Paulo, boa parte do filme será rodado no Jardim Romano. Localizado no extremo leste da cidade de São Paulo, o bairro possui uma efervescente vida cultural, especialmente com o Grupo de Teatro Estopo Balaio. Burlan já realizou dois filmes no Jardim Romano: “Estopo Balaio”, sobre a atuação do grupo no bairro, e “Batalha”, sobre o movimento de batalhas e improvisos das periferias – o filme teve sua estreia no 52o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. 

SINOPSE 
"A Mãe" segue a jornada de Maria, migrante nordestina e vendedora ambulante em busca de seu filho Valdo, supostamente assassinado por policiais militares durante uma ação na vila onde mora. Em busca de descobrir o paradeiro do filho, Maria enfrenta diversas adversidades. Ela não tem nenhuma notícia que a ajude a encontrá-lo. Essa tragédia deixa uma ferida profunda na personalidade de Maria, que passa a viver sob a marca da insegurança e da impunidade. 

FICHA TÉCNICA 
Empresa produtora - Bela Filmes 
Empresas co-produtoras - Filmes da Garoa & Cup Filmes 
Distribuidora - Cup Filmes 

Direção - Cristiano Burlan 
Roteiro - Ana Carolina Marino & Cristiano Burlan 
Produtores - Cristiano Burlan, Henrique Zanoni, Priscila Portella, Bruno Caticha & Ivan Melo. 
Produção Executiva - Priscila Portella 
Direção de Produção - Bruno Alfano 
Direção de Fotografia - André S. Brandão 
Direção de Arte - Karla Salvoni 
Figurino - Heloisa Cobra 
Maquiagem - Julliana Fraga 
Som direto - André Bellentani 
Montagem - Cristiano Burlan & Renato Maia 

Finalização de som - Cinecolor Digital 
Finalização de imagem - Anti-Glitch Foundation 

Elenco -  Marcelia Cartaxo, Helena Ignez, Dunstin Farias, Rubinho, Carlos Meceni, Hélio Cícero, Henrique Zanoni, Ana Carolina Marinho, Dinho Lima Flor, Mawusi Tulani, Gabriela Rabelo, Che Moais, André Luis Patrício, Walter Figueiredo, Eduardo Acaiabe, Kiko MArques, Gustavo Canovas, Tuna Dwek, Anna Zêpa, Badu Morais, Rodrigo Sanches, Esther Hwuang, Jordan Brigadeirão, entre outros. 

SOBRE O DIRETOR – CRISTIANO BURLAN 
CRISTIANO BURLAN (Porto Alegre, Brasil, 1975) é diretor de cinema e teatro e professor. Realizou Tetralogia em Preto e Branco com os filmes: Sinfonia de um Homem Só (2012), Amador (2014), Hamlet (2014) e Fome (2015), premiado no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Seu documentário Mataram Meu Irmão (2013) foi o vencedor do Festival É Tudo Verdade 2013 e, no mesmo ano, ganhou o prêmio do júri oficial e da crítica no 40º Festival Sesc de Melhores Filmes e também o prêmio Governador do Estado de São Paulo para a Cultura. Escreveu o roteiro de A Mãe (2016), ganhador do prêmio de coprodução internacional para participar do Cinélatino, Rencontres de Toulouse. Antes do Fim (2017) venceu o prêmio especial do júri da APCA em 2018, ano em que também estreou Elegia de um Crime (2018), no Festival É Tudo Verdade. Está em pré-produção de seu novo longa-metragem de ficção, A Mãe. 

SOBRE A BELA FILMES 
A BELA FILMES foi fundada em 2005. Os sócios CRISTIANO BURLAN e HENRIQUE ZANONI desenvolvem projetos artísticos independentes, como roteiristas, diretores e também atuando, ganhando reconhecimento tanto do público como da crítica, como provam as frequentes participações em festivais e prêmios angariados. A Bela Filmes já produziu mais de 20 filmes, incluindo ficções e documentários, tais como BATALHA, ANTES DO FIM, ELEGIA DE UM CRIME, NO VAZIO DA NOITE, EM BUSCA DE BORGES, FOME, MATARAM MEU IRMÃO, HAMLET, SINFONIA DE UM HOMEM SÓ,  CORAÇÕES DESERTOS entre outros. 

Paralelamente, a dupla de sócios também fundou a Cia dos Infames, grupo teatral com o qual já realizaram as peças O NOME DAS COISAS, O CARA MAIS ESPERTO DO FACEBOOK, MÚSICA PERFEITA PARA O SUICÍDIO, A VIDA DOS HOMENS INFAMES, entre outras.  

SOBRE A CUP FILMES 
A CUP FILMES foi fundada pelo produtor Ivan Melo, que tem mais de 20 anos de experiência no mercado cinematográfico. Trabalhou como produtor executivo e programador da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e foi diretor artístico do Festival de Paulínia. Também foi CEO do Paulínia Film Fund, onde se envolveu na produção de mais de 40 longas-metragens. Ao longo desses anos, estabeleceu parcerias com a diretora Anna Muylaert (Mãe Só Há Uma), com o diretor Marcelo Caetano (Corpo Elétrico) e Juliano Ribeiro Salgado (Sal da Terra). Atualmente, está gravando o longa de stop motion "Bob-Cuspe - Nós Não Gostamos de Gente", de César Cabral, o novo documentário de Juliano Salgado e o novo longa-metragem de Cristiano Burlan (A Mãe). 

SOBRE A FILMES DA GAROA 
Criada em 2011, pelo roteirista e diretor BRUNO CATICHA e pela produtora PRISCILA PORTELLA, a FILMES DA GAROA é uma produtora independente, focada em filmes de gênero e documentários. Entre suas principais produções destacam-se: O VESTIDO (2019) e O ESPÍRITO DO BOSQUE (2017), de Carla Saavedra Brychcy, vencedor do Kikito de Melhor Atriz no 45º Festival de Cinema de Gramado; GERU (2014), de Fábio Baldo e Tico Dias, vencedor do Candango de Melhor Ator e Som no 47º Festival de Brasília e PROJETO SILÊNCIO (2010), de Bruno Caticha, vencedor do prêmio Best Creative Idea no 13th Shanghai International Film Festival. É co-produtora do último documentário de Cristiano Burlan, ELEGIA DE UM CRIME (2018), que esteve na competitiva oficial do Festival É Tudo Verdade 2018. Atualmente, desenvolve o primeiro longa-metragem da diretora boliviana Carla Saavedra Brychcy, A SOMBRA DO CÃO, vencedor do 7º Brasil Cinemundi na categoria melhor projeto de longa-metragem; e prepara para rodar A MÃE, longa-metragem de ficção, dirigido por Cristiano Burlan e estrelado por Marcelia Cartaxo, realizado em co-produção com as empresas BELA FILMES e CUP FILMES

Fonte: Sinny Assessoria e Comunicação.

SHARE THIS

0 comentários:

Popular Posts

Cloud Labels

especiais (78)