Our social:

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

10ª Semana de Cinema começa, no dia 21/11, com circuito ampliado

Um dos principais festivais de cinema contemporâneo do país, o evento ocorrerá em seis municípios do Rio e 12 espaços de exibição

Voltada para a exibição e discussão da produção brasileira contemporânea de curta, média e longa metragem, a Semana de Cinema completa 10 anos de trajetória com circuito ampliado e novidades na curadoria. Um dos principais festivais de cinema do país será realizado, de 21 a 28 de novembro, em seis municípios: Rio de Janeiro (em novo espaço, o Estação Net Botafogo, além dos Sescs Tijuca e Madureira, da Faculdade de Letras da UFRJ, no Cineclube “Cinema é poder”, do Complexo da Maré, no Cineclube NA Favela e do Morro da Providência, no Favela Cineclube); Niterói (no Cine Arte UFF), Nova IguaçuSão Gonçalo e São João de Meriti (nas unidades do Sesc) e Duque de Caxias, no Cineclube Mate com Angu. O festival reúne este ano 56 produções de 10 estados brasileiros, que serão exibidas na mostra oficial e em sessões especiais. A abertura será dia 21, com os filmes ‘Plano controle’, de Juliana Antunes, e ‘Sol Alegria’, de Mariah e Tavinho Teixeira, no Estação NET Botafogo 1, às 21h, e em Niteroi, no CineArteUFF, dia 23, às 18h30. O evento é produzido pela Jurubeba Produções e tem patrocínio da Secretaria de Cultura de Niterói / FAN e apoio do SESC-RJ.

Cena de "Lembro mais dos corvos"
Diferentemente dos anos anteriores, a Semana não contará nesta edição com uma mostra competitiva. A seleção oficial foi ampliada e reúne 32 filmes (lista completa abaixo), selecionados pela equipe do festival e por curadores convidados, que tiveram encontros periódicos, ao longo de três meses, para ver, rever, discutir e propor a programação atual. “A programação da Semana, mais uma vez, aposta em filmes que se destacam no processo de seleção, por aquilo que têm de particular, pelos riscos que correm, pelas investigações de linguagem, pela experimentação. O conjunto final é muito diverso, mas tem em comum a pulsão do cinema, da criação sem amarras, em sintonia com o seu tempo”, explica Daniel Queiroz, um dos curadores, e exemplifica: “Temos filmes relacionados a questões políticas da história recente do Brasil (inclusive um documentário filmado durante a greve dos caminhoneiros); obras que trazem questões raciais e de gênero, que tratam da luta por moradia, de ocupação das cidades, dentre outros. Os temas são diversos, mas nos interessa muito, para além dos temas em si, a forma com que os filmes lidam com eles, a construção realizada, o uso inteligente da linguagem cinematográfica, propiciando obras que se destacam no cenário brasileiro contemporâneo”.

Cena de "Sol Alegria"
Uma das propostas da Semana é diminuir cada vez mais o ar de disputa entre as obras e privilegiar as experiências coletivas propiciadas por cada sessão. Ao mesmo tempo, o festival manterá um júri de estudantes e júris parceiros com a proposta de que acompanhem a programação e indiquem destaques, dando continuidade a contribuição com a carreira de filmes que podem se beneficiar com as avaliações recebidas. A mostra também adotará este ano, pela primeira vez, um júri popular, que votará em seus filmes preferidos nas sessões realizadas no Estação Net Botafogo e no Cine Arte UFF.

A 10ª Semana apresentará ainda outras três mostras: a Retrospectiva André Novais Oliveira, com cinco filmes do premiado diretor de Contagem (MG)cabíria, incluindo seu novo trabalho, Temporada (melhor filme no último Festival de Brasília); a mostra ‘Como mito desmontado, amanhã recomeço’, na qual a curadora e pesquisadora Patrícia Mourão apresenta, pela terceira vez no festival, uma sessão que busca trabalhar com o deslocamento de obras das salas de galerias e museus para a tela do cinema; e a Circuito Sesc – Semana de Cinema, com a exibição de 10 filmes cariocas.

Cena de "The Blue Night"
O encerramento da 10º Semana será realizado no dia 28 de novembro, no Estação Net Botafogo, às 21h, com a exibição do curta El Meraya, de Melissa Dullius e Gustavo Jahn; e do longa Sedução da carne, de Julio Bressane. Parque Oeste, de Fabiano Assis, e NoirBlue, de Ana Pi, encerra a programação de Niterói no mesmo dia as 18h30.

Materclasses, debates e oficinas

Além de ampliar o circuito, a 10ª Semana aumentou o número de eventos paralelos. Serão realizadas seis masterclasses: os convidados são o homenageado dessa edição, o diretor mineiro André Novais Oliveira; o curador Daniel Queiroz; os Irmãos Carvalho - Os irmãos gêmeos Marcos e Eduardo Carvalho, cineastas do morro do Salgueiro; a programadora e doutora em cinema Patrícia Mourão; os realizadores, pesquisadores e críticos Leonardo Amaral e Roberto Cotta e a diretora mineira Juliana Antunes. Haverá também oficinas promovidas pelo Prêmio Cabíria de Roteiro, além dos debates ‘Quanto vale um curta-metragem?’, que tomará como ponto de partida a discussão sobre a produção no formato para comentar as novas regras de pontuação da Ancine e ‘As mulheres e as funções técnicas’,  que discuturá o que há de feminino no fazer cinema, especificamente no desempenho de funções técnicas.


Veja a lista completa dos filmes selecionados abaixo. A programação está no site http://www.semana.art.br/2018/.

SESSÃO DE ABERTURA
Plano controle, dir. Juliana Antunes, 16’, 2018, MG
Sol Alegria, dir. Mariah Teixeira e Tavinho Teixeira , 90’, 2018, PB

SESSÃO DE ENCERRAMENTO
El Meraya, dir. Melissa Dullius e Gustavo Jahn, 19’, 2018, SC/Brasil, Alemanha, Egito
Sedução da carne, dir. Julio Bressane, 70’, 2018, RJ

SELEÇÃO OFICIAL
Alma bandida, dir. Marco Antonio Pereira, 14’, 2017, MG
Antes do lembrar, dir. Luciana Mazeto e Vinícius Lopes, 21’, 2018, RS
Apenas um gesto ainda nos separa do caos, dir. Yuri Firmeza, 9’, 2017, CE
Baixo Centro, dir. Ewerton Belico e Samuel Marotta, 80’, 2018, MG
Bem no meio do céu, dir. Isabella Raposo e Thiago Brito, 13’, 2018, RJ
Bloqueio, dir. Victória Álvares e Quentin Delaroche, 75’, 2018, PE
Calma, dir. Rafael Simões, 30’, 2018, RJ
Calypso, dir. Rodrigo Lima e Lucas Parente, 62’, 2018, RJ
O chalé é uma ilha batida de vento e chuva, dir. Letícia Simões, 94’, 2018, RJ
A chinesa de Riad, dir. Leonardo Amaral e Roberto Cotta, 15’, 2018, MG
Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados, dir. Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cristiano Araújo, Pedro Maia de Brito, 23’, 2018, MG
Espera, dir. Cao Guimarães, 76, 2018, MG
Eu, minha mae e Wallace, dir. Irmãos Carvalho, 22’, 2018, RJ
Fôlego, dir. Renato Sircilli, 85’, 2018, SP
Gede Vizyon, dir. Jefferson Kielwagen, Marcos Serafim e Steevens Simeon, 15’, 2018, SC/Haiti
Guardiões da memoria, dir. Alberto Alvares, 55’, 2018, RJ
Inaudito, dir. Gregorio Gananian, 88’, 2017, SP
(In)Consciência, dir. Jéferson, 18’, 2018, RJ
Lembro mais dos corvos, dir. Gustavo Vinagre, 80’, 2018, SP
Memórias do Subsolo ou o homem que cavou até encontrar uma redoma, Felipe Camilo, 11’, 2017, CE
NoirBlue, dir. Ana Pi, 27’, MG/França
Nome de batismo-Alice, dir. Tila Chitunda, 25’, 2017, PE
Num país estrangeiro, dir. Karen Akerman e Miguel Seabra Lopes, 25’, 2018, RJ/Portugal
Obeso mórbido, dir. Diego Bauer e Ricardo Manjaro, 14’, 2018, AM
Parque Oeste, dir. Fabiana Assis, 70’, 2018, GO
O pequeno mal, dir. Lucas Camargo de Barros e Nicolas Thomé Zetune, 70’, 2018, SP
A poeira que não quer sair do Esqueleto, dir. Daniel Santiso e Max William Morais, 21’, 2018, RJ
Reforma, dir. Fabio Leal, 16’, 2018, PE
Os sonâmbulos, dir. Tiago Mata Machado, 110’, 2018, MG
Superpina: gostoso é quando a gente faz!, dir. Jean Santos, 98’, 2018, PE
Tea for two, dir. Julia Katharine, 25’, 2018, SP
Temporada, dir. André Novais Oliveira, 113’, 2018, MG

RESTROSPECTIVA ANDRÉ NOVAIS OLIVEIRA
Domingo, dir. André Novais Oliveira, 11’, 2013, MG
Ela volta na quinta, dir. André Novais Oliveira, 108’, 2014, MG
Fantasmas, dir. André Novais Oliveira, 11’, 2010, MG
Pouco mais de um mês, dir. André Novais Oliveira, 22’, 2013, MG
Quintal, dir. André Novais Oliveira, 20’, 2015, MG

COMO MITO DESMONTADO, AMANHÃ RECOMEÇO, POR PATRICIA MOURÃO
Do figurativismo ao abstracionismo, dir. Clara Ianni, 6’, 2017, SP
Forma livre,  dir. Clara Ianni, 7’, 2013, SP
Grão, dir. Letícia Ramos, 8’, 2016,  SP
Não é difícil para um investigador da natureza simular os fenômenos, dir. Letícia Ramos, 8’, 2018, SP
Progresso, dir. Janaina Wagner, 4’, 2014, SP
Terremoto santo, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, 19’, 2017, PE/SP
Terreno, dir. Janaina Wagner, 9’, 2014, SP 
The Blue Night, dir. Letícia Ramos, 5’, 2017, SP
Ventura, dir. Janaina Wagner, 13’, 2018,  SP 
Vostok, dir. Letícia Ramos, 8’, 2014, SP

CIRCUITO SESC – SEMANA DE CINEMA
A fundo, dir. Raphael Medeiros, 8’, 2015, RJ
Acúmulo, dir. Gilson Junior e Melise Fremiot, 15’, 2017, RJ
BR3, dir. Bruno Ribeiro, 23’, 2018, RJ
Cinema delas, dir. Carol Vilamaro, 42’, 2017, RJ
Com o terceiro olho na terra da profanação, dir. Catu Rizo, 66’, 2016, RJ
Dias e dias, dir. Getulio Ribeiro e , 18’, 2016, RJ
Meu nome é Daniel, dir. Daniel Gonçalves, 83’, 2018, RJ
Negros dizeres, dir. Hugo Lima, 42’, 2015, RJ
Óbice, dir. Rafael Pinheiro Aguiar, 9’, 2014, RJ
Perpétuo, dir. Lorran Dias, 25’, 2018, RJ

Fonte: Rachel Almeida/ Racca Comunicação