Our social:

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O documentário "Regresso ao Campo" estreia hoje (5), às 23h, na TV BRASIL


Um dos destaques da programação desta semana é o documentário "Regresso ao Campo" que acompanha a rotina dos neo-rurais em Portugal, pessoas que estão saindo das cidades e indo viver no campo.

Na terça (6), às 22h, a emissora apresenta "Em Teu Nome", longa com direção de Paulo Nascimento e premiado no Festival de Gramado.

Na quarta (7), às 22h, o drama nacional "Eles Voltam" revela a jornada que a menina Cris precisa seguir para voltar ao seu lar.

Já na quinta (8), às 22h, o destaque é o filme "Meu mundo em perigo", longa que conquistou prêmio em três categorias do Festival de Brasília.

Na sexta (9), às 22h, a TV Brasil mostra o drama "Anuska, Manequi e Mulher", primeiro filme do diretor Francisco Ramalho Jr. Com grande elenco, tem roteiro baseado em um conto original do escritor Ignácio de Loyola Brandão.

No próximo sábado (10), às 12h30, o documentário "De Olaria a Helsinque: a História de um Salto" conta a trajetória do atleta José Telles da Conceição. Já às 16h30, o premiado drama nacional "Avanti Popolo" revela as dificuldades no reencontro e no convívio de pai e filho. Às 23h30, vai ao ar o longa português "Regresso ao Campo" e, às 4h, a produção  "O lugar dos lugares", da República Dominicana.

Por fim, no domingo (11), às 19h30, estão em cartaz o premiado drama brasileiro "Narradores de Javé" e, à meia-noite, o documentário cubano "Mãos de Pai" que estreia na programação.



Segunda-feira, 5 de dezembro

Regresso ao Campo
23h00, na TV Brasil

País de origem: Portugal. Ano: 2009. Gênero: documentário. Direção: Paulo Silva Costa. Produção: João Barrigana – RTP.

O documentário “Regresso ao Campo” apresenta a rotina dos neo-rurais em Portugal, pessoas que estão saindo das cidades e indo viver novamente no campo.

Desde os anos quarenta do século passado, as migrações eram em direção às cidades. Foi este êxodo que transformou Portugal num país com um interior cada vez mais desertificado e a população concentrada no litoral e na Grande Lisboa.

Invertendo esse movimento que levou as migrações do campo a incharem as cidades, muitas pessoas estão voltando a residir nas áreas rurais do país europeu.

O filme mostra quem forma essa parcela da população, o que os motiva e que valores e modelo de vida estão buscando.

Os primeiros destes neo-rurais eram estrangeiros. Vinham de uma Europa Central então ameaçada por Chernobyl. O mundo rural mudou muito nos últimos trinta anos. Hoje os tratores substituíram o trabalho braçal, também há supermercados, autoestradas, subsídios comunitários e internet.

Iniciou-se outra migração interna e os geógrafos até já distinguem diferentes grupos de “neo-rurais”: os que partem por motivação ecológica, os que na reforma regressam à terra natal, aqueles que se dedicam ao home office e até os desempregados por causa da crise.

São algumas destas pessoas que o documentário vai encontrar. “Valorizam o seu próprio tempo e modos de vida mais solidários e vão à procura de atividades em equilíbrio com a natureza”, explica a geógrafa Teresa Alves, uma das entrevistadas no filme.

Inédito. 52 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 23h00


Terça-feira, 29 de novembro

Em teu nome
22h00, na TV Brasil

Ano: 2009. Gênero: drama. Direção: Paulo Nascimento, com Leonardo Machado, Fernanda Moro, César Troncoso, Nelson Diniz, Silvia Buarque, Marcos Paulo, Julia Feldens, Sirmar Antunes, Marcos Verza, Gilberto Perin, Jeffersonn Silveira.

Nos anos 1970, a América Latina vivia um período de ditaduras militares. Alguns tentavam resistir. Entre eles, Boni, um estudante de engenharia que entra na luta armada contra o governo, mas carrega dúvidas sobre se esta é a melhor forma de agir.

Cecília, sua namorada, quer viver a vida "como todos os outros" estão vivendo na época. Boni é preso, torturado e expulso do país. Cecília vai atrás dele e passam a viver tempos de fuga, mas também de amor no Chile, Argélia e, finalmente, Paris, onde Boni se torna o presidente do Comitê pela Anistia, onde começam a preparar a volta para casa.

Dirigido por Paulo Nascimento, o drama “Em teu nome” ganhou vários prêmios no Festival de Gramado. O longa foi reconhecido nas categorias Melhor Música, Melhor Ator (Leonardo Machado) e Melhor Diretor (Paulo Nascimento). O filme ainda conquistou o Prêmio Especial do Júri.

Reprise. 102 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 22h00


Quarta-feira, 7 de dezembro

Eles voltam
22h00, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: drama. Direção: Marcelo Lordello, com Maria Luiza Tavares, Georgio Kokkosi, Elayne de Moura, Mauricéia Conceição, Jéssica Silva, Irma Brown, Clara Oliveira, Germano Haiut, Teresa Costa Rêgo.

Cris (Maria Luíza Tavares) e Peu (Georgio Kokkosi), seu irmão mais velho, são deixados na beira de uma estrada pelos próprios pais. A menina de 12 anos e o garoto foram castigados por brigar constantemente durante uma viagem à praia. Em pouco tempo, os irmãos percebem que o castigo vem a se tornar um desafio ainda maior.

Após algumas horas, ao notar que os pais não retornaram, Peu parte em busca de um posto de gasolina. Cris permanece no local por um dia inteiro e, sem notícias dos pais ou do irmão, decide percorrer ela mesma o caminho de volta para casa.

Primeiro longa de ficção do diretor Marcelo Lordello, o drama nacional “Eles Voltam” acompanha Cris em sua jornada de retorno ao lar. A trama apresenta uma história feita de encontros, em que realidades distintas serão os guias dos personagens no percurso. O flime é uma fábula de tons realistas sobre as vivências que farão Cris se revisitar.

A produção recebeu muitos prêmios na estreia no Festival de Brasília. “Eles Voltam” conquistou os Candangos de Melhor Atriz (Maria Luiza Tavares), Melhor Atriz Coadjuvante (Elayne Moura) e Melhor Filme - dividido com “Era uma vez eu, Verônica”, de Marcelo Gomes.

Reprise. 105 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 22h00


Quinta-feira, 8 de dezembro

Meu Mundo em Perigo
22h00, na TV Brasil

Ano: 2007. Gênero: drama. Direção: José Eduardo Belmonte, com Eucir de Souza, Milhem Cortaz, Rosane Mulholland, Justíne Otondo, Wolney de Assís, Zíza Brísola.

A trama acompanha a história de três personagens: Elias (Eucir de Souza), um fotógrafo desempregado que perde a guarda do filho e mergulha em um inferno interior do qual não consegue fugir; Isis (Rosanne Mulholland), uma mulher enigmática que busca espacar do passado e do presente com quem Elias passa a se relacionar; e Fito (Milhem Cortaz), um homem que entra em desespero após perder o pai em um acidente de trânsito provocado pelo fotógrafo.

Em uma estrutura narrativa peculiar, o roteiro entrelaça o destino dos três personagens cujas vidas se colidem em um desfecho trágico.

Terceiro longa do diretor José Eduardo Belmonte, o drama “Meu mundo em perigo” recebeu premiações em três categorias no Festival de Brasília: Melhor Ator (Eucir de Souza), Melhor Ator Coadjuvante (Milhem Cortaz), Prêmio da Crítica de Melhor Filme.

Reprise. 92 min.
Classificação Indicativa: 12 anos
Horário: 22h00


Sexta-feira, 9 de dezembro

Anuska, Manequim e Mulher
22h00, na TV Brasil

Ano: 1968. Gênero: drama. Direção: Francisco Ramalho Jr., com Francisco Cuoco, Marília Branco, Ivan Mesquita, Luís Sérgio Person, Ruthinéa de Moraes, José de Abreu, Armando Bógus, Jean-Claude Bernardet.

A aspirante a modelo Anuska (Marília Branco) encontra no empresário Sábato (Ivan Mesquista) uma forma de concretizar suas ambições. Mas, em pouco tempo, o jornalista Bernardo (Francisco Cuoco) entra em cena e conquista o coração da jovem.

Na tentativa de subir na carreira da alta costura, ela compromete seu romance com o homem que a apóia, além de levá-lo ao fracasso.

Com roteiro baseado em um conto original de Ignácio de Loyola Brandão, o drama “Anuska, Manequim e Mulher” é o primeiro filme dirigido por Francisco Ramalho Jr.

A produção lançada em 1968 reúne grande elenco formado por Francisco Cuoco, Marília Branco, Ivan Mesquita, Luís Sérgio Person, Ruthinéa de Moraes, José de Abreu, Armando Bógus e Jean-Claude Bernardet.

Reprise. 95 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 22h00



Sábado, 10 de dezembro

De Olaria a Helsinque: a História de um Salto
12h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: documentário. Direção: André Klotzel.

No dia 20 de julho de 1952, nos Jogos Olímpicos de Helsinque, José Telles da Conceição alcançou a marca de 1,98m no salto em altura e conquistou uma inédita medalha de bronze, tornando-se, assim, o primeiro representante do atletismo brasileiro a subir ao pódio. Seu triunfo, porém, foi ofuscado pela conquista do ouro no salto triplo por Adhemar Ferreira da Silva.

Dirigido por André Klotzel, o documentário “De Olaria a Helsinque: a História de um Salto” busca conceder o devido reconhecimento a esse superatleta.

Reprise. 26 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 12h30



Sábado, 10 de dezembro

Avanti Popolo
16h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: drama. Direção: Michael Wahrmann Stein, com André Gatti, Carlos Reichenbach, Eduardo Valente, Marcos Bertoni, Paulo Rigazzi, Maria da Penha, Julio Martí, Michael Wahrmann.

Após separar-se da sua esposa, André (André Gatti) volta a morar com seu pai (Carlos Reichenbach). O reencontro dos dois revela uma relação difícil e distante, em função do desaparecimento do outro filho, 30 anos antes, na época da ditadura militar brasileira.

O pai vive uma vida de espera e reclusão, amarrado afetivamente apenas a sua cachorra, Baleia. Ele passa o dia brincando com a cadela, que está mais concentrada nos acontecimentos da rua do que no seu dono.

Com a intenção de se aproximar do pai, André descobre uns velhos rolos de super-8mm, filmados pelo seu irmão antes dele desaparecer. Essas antigas imagens em película aparecem ao longo do filme, alimentando o espectador com indícios da história familiar e da presença fantasmagórica do irmão ausente.

André projeta para o pai o último filme do irmão antes de desaparecer. Ainda que emocionante, a tentativa fracassa, pois o pai se recusa a rever o seu passado. “Eu não vejo mais nada, esta’ tudo cinza” repete o pai para André.

Dirigido por Michael Wahrmann, o drama “Avanti Popolo” foi premiado em vários festivais de cinema no Brasil e no exterior. O longa conquistou o prêmio principal de Melhor Filme na Mostra CinemaXXI do Festival de Roma. Michael Wahrmann recebeu foi reconhecido ainda como Melhor Diretor no prestigiado FICUNAM no México. A produção também foi premiada no Festival de Lima.

No Festival de Brasília, o filme conquistou os candangos em quatro categorias: Melhor Direção, Prêmio da Crítica, Melhor Ator Coadjuvante (Carlos Reichenbach) e Prêmio Saruê. O drama ainda foi considerado o Melhor Filme na Semana dos Realizadores do Rio de Janerio e no Festival Vitoria Cine e Vídeo.

No Panorama de Cinema de Salvador, “Avanti Popolo” foi reconhecido com o Prêmio Especial do Júri e o Prêmio de Melhor Filme do Júri Jovem. O longa também ganhou os prêmios de Melhor Direção de Arte no Festival Cinema e Vídeo dos Sertões (PI) e Melhor Som no Janela Internacional de Recife.

Reprise. 72 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 16h30


Sábado, 10 de dezembro

Regresso ao Campo
23h30, na TV Brasil

País de origem: Portugal. Ano: 2009. Gênero: documentário. Direção: Paulo Silva Costa. Produção: João Barrigana – RTP.

O documentário “Regresso ao Campo” busca conhecer a vida dos neo-rurais em Portugal, aquelas pessoas que estão saindo das cidades e indo viver novamente no campo.

Desde os anos quarenta do século passado, as migrações eram em direção às cidades. Foi este êxodo que transformou Portugal num país com um interior cada vez mais desertificado e a população concentrada no litoral e na Grande Lisboa.

Invertendo esse movimento que levou as migrações do campo a incharem as cidades, muitas pessoas estão voltando a residir nas áreas rurais do país europeu.

O filme mostra quem forma essa parcela da população, o que os motiva e que valores e modelo de vida estão buscando.

Os primeiros destes neo-rurais eram estrangeiros. Vinham de uma Europa Central então ameaçada por Chernobyl. O mundo rural mudou muito nos últimos trinta anos. Hoje os tratores substituíram o trabalho braçal, também há supermercados, autoestradas, subsídios comunitários e internet.

Iniciou-se outra migração interna e os geógrafos até já distinguem diferentes grupos de “neo-rurais”: os que partem por motivação ecológica, os que na reforma regressam à terra natal, aqueles que se dedicam ao home office e até os desempregados por causa da crise.

São algumas destas pessoas que o documentário vai encontrar. “Valorizam o seu próprio tempo e modos de vida mais solidários e vão à procura de atividades em equilíbrio com a natureza”, explica a geógrafa Teresa Alves, uma das entrevistadas no filme.

Reprise. 52 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 23h30


Sábado, 10 de dezembro (madrugada de sábado para domingo)

O lugar dos lugares
04h00, na TV Brasil

Título original: El sitio de los sitios. País de origem: República Dominicana. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Oriol Estrada e Natalia Cabral. Produção: Faula Films.

Em algum lugar do Caribe que estão sendo construídas praias artificiais. Uma paisagem virgem de montanhas e litoral rochoso rapidamente se transforma em um conjunto de casas com campos de golfe, piscinas e praias artificiais. Os pescadores se tornam os operários que ergueram, justo ao lado de sua comunidade, a busca pela felicidade de seus futuros vizinhos.

O documentário acompanha alguns personagens que vivem seus sonhos durante essa mudança. Uma jovem modelo espera por seus amigos ao lado da piscina, um jardineiro e uma empregada fantasiam comprar móveis de luxo, um grupo de garis filosofar sobre o amor e golfistas amadores tentam acertar a bola no buraco, enquanto os turistas, entre máquinas e barulhos, partem para uma caminhada.

A produção da República Dominicana é dirigida por Oriol Estrada e Natalia Cabral.

Reprise. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 04h00


Domingo, 11 de dezembro

Narradores de Javé
19h30, na TV Brasil

Ano: 2003. Gênero: drama. Direção: Eliane Caffé, com José Dumont, Nelson Xavier, Matheus Nachtergaele, Rui Rezende, Gero Camilo, Luci Pereira, Silvia Leblon, Nelson Dantas, Orlando Vieira, Roger Avanzi, Alessandro Azevedo, Mário César Camargo, Benê Silva, Maurício Tizumba, Henrique Lisboa, Maria Dalva Ladeia, Altair Lima.

Os moradores de Javé, povoado ameaçado de extinção, unem-se para reconstruir sua história com testemunhos da memória oral. Eles o fazem com muito humor e picardia, ora com grandeza épica, ora com deboche. O presepeiro Antônio Biá (José Dumont) faz as vezes de um Homero sertanejo.

Nada mudaria a rotina do pequeno vilarejo de Javé não fosse a ameaça repentina de sua extinção: Javé deverá desaparecer inundado pelas águas de uma nova hidrelétrica. Diante da terrível notícia, a comunidade decide ir à luta.

A população coloca em prática estratégia inusitada e original: escrever dossiê que documente os "grandes" e "nobres" feitos da história do povoado e assim justificar sua preservação. Se até hoje ninguém preocupou-se em escrever a verdadeira história de Javé, tal tarefa será executada pelos próprios habitantes.

Como os moradores do vilarejo são bons contadores de histórias, mas mal sabem escrever o próprio nome, faz-se necessário conseguir escrivão à altura do empreendimento. É designado, então, Antônio Biá, personagem anárquico, de caráter duvidoso, porém o único no povoado capaz de escrever com fluência.

Apesar de polêmico, ele terá a permissão de todos para ouvir e registrar os relatos mais importantes. Tarefa difícil, pois nem sempre os habitantes concordam sobre qual, dentre todas as versões, deverá prevalecer na memória do povoado.

Na construção deste dossiê, inicia-se duelo poético entre os contadores que disputam com suas histórias – muitas vezes fantásticas e lendárias – o direito de permanecer no patrimônio de Javé.

Dirigido por Eliane Caffé, o drama nacional “Narradores de Javé” conquistou diversos prêmios em festivais no Brasil e no exterior. O longa recebeu sete troféus Calunga no Cine PE nas categorias Melhor filme, Melhor ator (José Dumont), Melhor atriz coadjuvante (Luci Pereira), Melhor ator coadjuvante (Gero Camilo), Melhor montagem (Daniel Rezende), Melhor som (Miriam Biderman) e Melhor direção (Eliane Caffé). O drama também levou o Prêmio Gilberto Freyre, atribuído pela Fundação Gilberto Freyre, do Recife.

Já no Festival do Rio, a produção foi reconhecida em três categorias: Melhor filme pelo Júri Oficial, Melhor filme pelo Júri Popular e Melhor ator (José Dumont). No Festival de Bruxelas, “Narradores de Javé” foi o vencedor do Prêmios de Melhor filme e Roteiro. Já no Festival de Fribourg (Suíça), o longa conquistou o Prêmio da Crítica. O longa participou da seleção oficial do Festival de Roterdã (Holanda).

Reprise. 100 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 19h30



Domingo, 11 de dezembro (madrugada de domingo para segunda-feira)

Mãos de Pai
00h00, na TV Brasil

Título original: Manos de Padre. País de origem: Cuba. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Marcel Beltrán. Produção: María Carla del Río. Diretor de Fotografia: Javier Pérez.

Regina e Mauricio, um casamento de mais de 30 anos, fazem uma viagem a lugares que marcaram sua união e aonde nunca pensavam voltar.

Na metade da viagem, separam-se. Regina vai festejar o aniversário de sua mãe. Everardo, o pai de Regina, nunca aceitou um homem para sua filha que estivesse fora de seus ideais de pai. Durante a celebração familiar, uma ligação de Mauricio surpreende a todos.

O longa cubano “Mãos de Pai” é dirigido por Marcel Beltrán.

Inédito. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 00h00


Fonte:Fernando Chaves
Coordenador de Comunicação
Gerência de Comunicação
Empresa Brasil de Comunicação | TV Brasil | Rádios Nacional e MEC

Imprensa (2)Trailer/Divulgação

Imprensa (3) Teaser Trailer

Popular Posts

Google+ Followers