Our social:

sábado, 19 de novembro de 2016

Animação "Garoto Cósmico", de Alê Abreu, é um dos destaques da programação de filmes da TV BRASIL(20 a 28 de novembro)


Neste domingo (20), às 19h30, o drama "O Preço do Perdão", de Senegal, narra a trama de uma vila coberta por um espesso nevoeiro na costa sul do país. Por fim, à meia-noite, estreia o documentário "A mulher maravilhosa sobre rodas", de Porto Rico, sobre a saga de uma escritora para superar os desafios da paralisia cerebral.

Nesta segunda (21), às 23h, o documentário "Ferro em Brasa" faz um passeio audiovisual conduzido pelo protagonista, o fotojornalista moçambicano Ricardo Rangel. O longa é dirigido pelo cineasta brasileiro Licínio de Azevedo, radicado em Moçambique.

Já na terça (22), às 22h, a emissora exibe o elogiado drama nacional "Árido Movie" com grande elenco.

Na quarta (23) , às 22h, a atração é a cinebiografia "Lara", sobre a atriz Odete Lara

Na quinta (24), às 22h, vai ao ar o premiado drama "Nome Próprio", dirigido por Murilo Salles e estrelado por Leandra Leal

Na sexta (25), às 22h, a TV Brasil apresenta o filme drama "Curitiba Zero Grau", com o ator Jackson Antunes.

No próximo sábado (26), às 12h30, o documentário nacional "Aída dos Santos, uma mulher de garra" recorda a vitoriosa carreira da atleta. Às 23h30, o canal apresenta o filme "Ferro em Brasa" de Moçambique. Já às 4h, vai ao ar o longa "A mulher maravilhosa sobre rodas", de Porto Rico.

Por fim, no domingo (28), às 19h30, o destaque é a animação "Garoto Cósmico", filme dirigido por Alê Abreu. À meia-noite, a atração é o documentário panamenho "A felicidade do som", do Panamá, que faz um mapa sonoro imaginário de três personagens.
Filmes da TV Brasil 19 a 27 de novembro de 2016


Domingo, 20 de novembro

O Preço do Perdão
19h30, na TV Brasil

Título original: Le prix du pardon. País de origem: Senegal. Ano: 2002. Gênero: drama. Direção: Mansour Sora Wade, com Alioune Ndiaye, Dienaba Niang, Gora Seck, Hubert Koundé, James campbell, Rokhaya Niang, Thierno Ndiaye Doss.

Um espesso nevoeiro cobre um vilarejo da costa sul do Senegal há vários dias e impede a entradas das pequenas embarcações no mar. O velho religioso da aldeia está moribundo e não pode executar os ritos.

Com apenas 20 anos, o jovem Mbanik, filho do ancião, ganha a confiança do povo e cativa a jovem Maxoye, mas seu sucesso desperta a inveja de Yatma, seu amigo de infância.

Inspirado no romance homônimo do escritor Mbissane Ngom, o drama “O Preço do Perdão”, dirigido pelo cineasta senegalês Mansour Sora Wade, busca respeitar a tradição da cultura oral africana.

Reprise. 90 min.
Classificação Indicativa: 12 anos
Horário: 19h30



Domingo, 20 de novembro (madrugada de domingo para segunda-feira)

A mulher maravilhosa sobre rodas
00h00, na TV Brasil

Título original: La Mujer Maravilla sobre Ruedas. País de origem: Porto Rico. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Omar Camilo Ramos.

Uma escritora decide convocar 12 mil pessoas para realizar o maior abraço do mundo a fim de quebrar um recorde. O prêmio a ajudará a obter uma cadeira de rodas que precisa para alcançar sua independência e livrar-se de uma dor física causada por sua condição de paralisia cerebral.

No caminho, ela buscará se conectar emocionalmente com a maior quantidade de pessoas para que, por meio do seu depoimento, se motivem a se livrar de suas barreiras mentais.

Inédito. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 00h00


Segunda-feira, 21 de novembro

Ferro em Brasa
23h00, na TV Brasil

País de origem: Moçambique. Ano: 2006. Gênero: documentário. Direção: Licínio de Azevedo.

O documentário Ferro em Brasa é um passeio audiovisual conduzido pelo protagonista, o fotojornalista moçambicano Ricardo Rangel.

Símbolo de uma geração que no fim dos anos 1940, em Moçambique, iniciou as primeiras denúncias contra a situação de exploração colonial. Enquanto fotografava a cidade dos colonos, Ricardo revelava a desumanidade e a crueldade do colonialismo.

O documentário mostra, para além do homem, as circunstâncias de Moçambique da época pré-independência, que após tantos anos, ainda hoje, muitos se recusam a admitir, preferindo recordar a qualidade de vida da pequena parte da população que representavam.

A fotografia e a memória registrada em imagens em Moçambique tem em Ricardo Rangel um dos seus mais importantes pilares. Desde o período colonial até ao fim da guerra civil pós-independência, nos anos 1990, Ricardo Rangel fotografou 60 anos da história de seu país.

Nascido em Maputo em 1924, ele foi o primeiro jornalista não branco a entrar para uma equipe de um informativo em Moçambique (1952) no período colonial como repórter fotográfico do jornal Notícias da Tarde.

Ao completar 81 anos e inaugurar uma exposição com algumas de suas imagens no lançamento de seu livro de fotografias, ele narra episódios de sua vida, e histórias de algumas de suas fotos no filme de Licínio de Azevedo lançado em 2006.

A trajetória de Ricardo Rangel não só serviu de exemplo e modelo para duas gerações de fotógrafos que se seguiram, como também, no Centro de Formação Fotográfica, ele continuou a preparar profissionais para a prática da fotografia e do fotojornalismo.

O trabalho do profissional permitiu uma produção de imagens de valor inestimável que se tornaram um acervo fundamental dos últimos 60 anos da história de Moçambique. Ricardo Rangel faleceu em 2009.

Inédito. 49 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 23h00


Terça-feira, 22 de novembro

Árido Movie
22h00, na TV Brasil

Ano: 2006. Gênero: drama. Direção: Lírio Ferreira, com Guilherme Weber, Giulia Gam, Gustavo Falcão, Selton Mello, José Dumont.

Jonas (Guilherme Weber) é um famoso repórter do tempo de uma grande emissora de televisão que mora em São Paulo. Ele retorna à sua cidade-natal, no interior do Nordeste, para o enterro do pai (Paulo César Pereio) com quem teve pouquíssimo contato e que foi assassinado.

No caminho para a região, Jonas enfrenta problemas para chegar ao seu destino até que recebe carona de Soledad (Giulia Gam). A videomaker que está fazendo um documentário sobre a água no sertão. Ao chegar à cidade, ele encontra uma parte da família que não conhecia até então. Os parentes cobram que ele se vingue da morte do pai.

O drama “Árido Movie”, dirigido por Lírio Ferreira, conquistou seis prêmios no Festival Cine PE nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Selton Mello), Melhor Fotografia, Melhor Edição e Prêmio da Crítica.

A Associação Paulista de Críticos de Arte reconheceu a produção com o prêmio de Melhor Edição. O filme ainda ganhou o prêmio Lente de Cristal na categoria de Melhor Diretor no Festival de Cinema Brasileiro de Miami. No Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, o longa recebeu 12 indicações.

Reprise. 115 min.
Classificação indicativa: 16 anos
Horário: 22h00


Quarta-feira, 23 de novembro

Lara
22h00, na TV Brasil

Ano: 2002. Gênero: drama. Direção: Ana Maria Magalhães, com Christine Fernandes, Caco Ciocler, Maria Manoela, Tuca Andrada, Emílio de Melo, Mariana Lima, Gilberto Gawronski, Monique Lafond, Marcos Caruso.

O drama “Lara” conta a agitada história da atriz Odete Lara, considerada uma das musas do Cinema Novo. Dirigido por Ana Maria Magalhães, a cinebiografia lançada em 2002 traça um panorama sobre a vida e a obra da artista que faleceu em 4 de fevereiro de 2015.

Filha de um operário italiano, a artista saiu da periferia de São Paulo para tornar-se a Deusa Loira do cinema brasileiro. Com trilha sonora de Dori Caymmi, o longa se baseia em diferentes momentos de sua trajetória para fazer um retrato de mulher, de uma geração e do mundo em que ela construiu a sua carreira.

A estonteante beleza de Odete Lara lhe abriu muitas portas, mas rapidamente seu talento também foi reconhecido. Ela começou fazendo desfile de moda – apesar de ter apenas 1,60m de altura -, foi garota propaganda da TV Tupi antes de ser atriz do teatro onde conheceu o sucesso.

Do teatro ao cinema foi um pulo. O cinema deu a Odete o status de estrela. Ela se tornou uma das mulheres mais cobiçadas do país. Apesar disso, o sucesso não trouxe felicidade. Ela teve várias relações amorosas decepcionantes e destrutivas.

A trama tem como pano de fundo os 30 tumultuados e mais importantes anos da vida brasileira no século passado: dos anos 1930 a meados dos anos 1970. Três atrizes interpretam Odete Lara em épocas diferentes de sua vida. Luanne Louback faz Odete criança, Maria Manoella é a adolescente e Christine Fernandes é a atriz adulta. Caco Ciocler protagoniza Guima, o personagem masculino mais importante na vida de Odete.

Na infância, Lara Brandini (Christine Fernandes) era uma menina depois da morte de sua mãe por suicídio. Durante a adolescência, ela viveu em uma pensão modesta com seu pai, Francesco (Camilo Bevilacqua). Ao crescer e se tornar atriz, Lara passa a viver com Guima (Caco Ciocler), um dramaturgo que teve sua peça teatral censurada pelo governo. Após a liberação do espetáculo, o texto é montado com Lara no elenco, mas logo depois ela e Guima se separam.

Em busca da ascensão profissional, a artista se dedica totalmente à carreira e acaba sendo premiada como a melhor atriz do ano, até descobrir que o sucesso artístico não a fizera feliz como almejava ser.

Reprise. 107 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 22h00


Quinta-feira, 24 de novembro

Nome Próprio
22h00, na TV Brasil

Ano: 2007. Gênero: drama. Direção: Murilo Salles, com Leandra Leal, Juliano Cazarré, Munir Kanaan, Reginaldo Faidi, Alex Didier, Martha Nowill, Frank Borges, Fabio Frood, Milhem Cortaz, David Katz, Norival Rizzo, Rosanne Mulholland, Ricardo Garcia, Paulo Vasconcelos, Alan Medina, Gustavo Machado, Luciana Brites, Ricardo Galli.

Nome Próprio” conta a história de uma jovem mulher que dedica a vida à sua paixão: escrever. Camila é intensa, complexa e corajosa. Para ela, o que interessa é construir uma trajetória como ato de afirmação. Sua vida é sua narrativa. A jovem busca construir uma existência complexa o suficiente para se escrever sobre ela. Para Camila, a vida floresce das cicatrizes de seu processo de entrega absoluta e vertiginosa.

A moça escreve compulsivamente em um blog, só que isto faz com que também fique isolada e que só consiga ver duas opções na vida: se matar ou encontrar o grande amor - o que vier primeiro.

Dirigido por Murilo Salles e estrelado por Leandra Leal com grande elenco, o drama “Nome Próprio” conquistou dois prêmios no Festival de Gramado: Melhor Longa-Metragem e Melhor Atriz (Leandra Leal).

Reprise. 120 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 22h00


Sexta-feira, 25 de novembro

Curitiba Zero Grau
22h00, na TV Brasil

Ano: 2010. Gênero: drama. Direção: Elói Pires Ferreira, com Jackson Antunes; Katia Drummond; Rodrigo Ferrarini; Camila Hubner; Diego Kozievitch; Enéas Lour; Stephanie Mattanó; Olga Nenevê.

Na semana mais fria de um inverno curitibano, os dramas de quatro homens se cruzam: um vendedor de automóveis, um catador de papeis, um motoboy e um motorista de ônibus.

Cada um a seu modo traça um novo perfil do povo da capital paranaense que vem se modificando com o inchaço da cidade e com os desafios pela sobrevivência na cidade onde o frio dita o comportamento das pessoas.

Dirigido por Elói Pires Ferreira e estrelado por Jackson Antunes, o drama “Curitiba Zero Grau” conquistou o Prêmio do Público no CINESUL - Festival Latino-Americano de Cinema e Vídeo.

Reprise. 105 min.
Classificação Indicativa: 12 anos
Horário: 22h00



Sábado, 26 de novembro

Aída dos Santos, uma mulher de garra
12h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: documentário. Direção: André Pupo e Ricardo Quintella.

Há 50 anos, Aída dos Santos marcou história no atletismo nacional. Única mulher da delegação brasileira nas Olímpiadas de Tóquio, em 1964, sem nenhum apoio, treinador, tênis e até uniforme próprio, a carioca de 79 anos de idade entrou para a história conquistando o quarto lugar no salto em altura naquele ano.

Mesmo sem nenhuma estrutura, Aída teve o melhor desempenho de uma brasileira na história dos Jogos até as Olimpíadas de Atlanta, em 1996, quando as atletas Jacqueline e Sandra conquistaram a medalha de ouro no vôlei de praia.

Dirigido por André Pupo e Ricardo Quintella, o documentário “Aída dos Santos, uma mulher de garra” resgata a memória dessa saltadora e sua epopeia olímpica.

Reprise. 26 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 12h30



Sábado, 26 de novembro

Ferro em Brasa
23h30, na TV Brasil

País de origem: Moçambique. Ano: 2006. Gênero: documentário. Direção: Licínio de Azevedo.

O documentário Ferro em Brasa é um passeio audiovisual conduzido pelo protagonista, o fotojornalista moçambicano Ricardo Rangel.

Símbolo de uma geração que no fim dos anos 1940, em Moçambique, iniciou as primeiras denúncias contra a situação de exploração colonial. Enquanto fotografava a cidade dos colonos, Ricardo revelava a desumanidade e a crueldade do colonialismo.

O documentário mostra, para além do homem, as circunstâncias de Moçambique da época pré-independência, que após tantos anos, ainda hoje, muitos se recusam a admitir, preferindo recordar a qualidade de vida da pequena parte da população que representavam.

A fotografia e a memória registrada em imagens em Moçambique tem em Ricardo Rangel um dos seus mais importantes pilares. Desde o período colonial até ao fim da guerra civil pós-independência, nos anos 1990, Ricardo Rangel fotografou 60 anos da história de seu país.

Nascido em Maputo em 1924, ele foi o primeiro jornalista não branco a entrar para uma equipe de um informativo em Moçambique (1952) no período colonial como repórter fotográfico do jornal Notícias da Tarde.

Ao completar 81 anos e inaugurar uma exposição com algumas de suas imagens no lançamento de seu livro de fotografias, ele narra episódios de sua vida, e histórias de algumas de suas fotos no filme de Licínio de Azevedo lançado em 2006.

A trajetória de Ricardo Rangel não só serviu de exemplo e modelo para duas gerações de fotógrafos que se seguiram, como também, no Centro de Formação Fotográfica, ele continuou a preparar profissionais para a prática da fotografia e do fotojornalismo.

O trabalho do profissional permitiu uma produção de imagens de valor inestimável que se tornaram um acervo fundamental dos últimos 60 anos da história de Moçambique. Ricardo Rangel faleceu em 2009.

Reprise49 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 23h30


Sábado, 26 de novembro (madrugada de sábado para domingo)

A mulher maravilhosa sobre rodas
04h00, na TV Brasil

Título original: La Mujer Maravilla sobre Ruedas. País de origem: Porto Rico. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Omar Camilo Ramos.

Uma escritora decide convocar 12 mil pessoas para realizar o maior abraço do mundo a fim de quebrar um recorde. O prêmio a ajudará a obter uma cadeira de rodas que precisa para alcançar sua independência e livrar-se de uma dor física causada por sua condição de paralisia cerebral.

No caminho, ela buscará se conectar emocionalmente com a maior quantidade de pessoas para que, por meio do seu depoimento, se motivem a se livrar de suas barreiras mentais.

Reprise. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 04h00


Domingo, 27 de novembro

Garoto Cósmico
19h30, na TV Brasil

Ano: 2007. Gênero: animação infantil. Direção: Alê Abreu. Roteiro: Alê Abreu, Sabina Anzuategui, Daniel Chaia e Gustavo Kurlat. Elenco: Aleph Naldi (Cósmico); Bianca Rayen (Luna); Mateus Duarte (Maninho); Raul Cortez (Giramundos).

O filme de animação Garoto Cósmico, dirigido por Alê Abreu, é uma colorida aventura musical em que crianças do futuro descobrem os segredos de um circo perdido no espaço. É o último filme com a participação do ator Raul Cortez, que faleceu em julho de 2006.

Cósmico, Luna e Maninho são crianças de um mundo futurista, em que as vidas são totalmente programadas. Certa noite, buscando mais pontos para obterem um bônus na escola, os três perdem-se no espaço e descobrem um universo infinito, esquecido num pequeno circo. Depois de muita brincadeira e de tantas novas experiências, o mundo da programação envia um representante especial para resgatá-los. É hora de escolherem seus próprios caminhos.

Garoto Cósmico é a estreia do diretor Alê Abreu em longa-metragem. Antes, ele dirigiu os curtas Sírius e Espantalho (melhor filme no Anima Mundi de 1998). Fã de filmes de ficção científica, Alê criou um universo com diversas referências, entre elas Metrópolis, de Fritz Lang, aliados ao visual clean de THX 1138, de George Lucas, que trata de um tema semelhante, que é a busca da liberdade em meio ao mundo condicionado.

Diferente das animações comerciais, o longa é uma aventura movimentada e divertida, com pitadas musicais e um tempero pedagógico. Para tanto, foram chamados roteiristas experientes, como Sabina Anzuategui (Desmundo) e Daniel Chaia (Bens Confiscados), além do músico e educador Gustavo Kurlat, que desenvolve um trabalho que mistura arte e educação. Kurlat responde também pela trilha sonora. Apesar de algumas referências adultas, o filme é voltado para o público infantil.

Reprise. 75 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 19h30



Domingo, 27 de novembro (madrugada de domingo para segunda-feira)

A felicidade do som
00h00, na TV Brasil

Título original: La felicidad del sonido. País de origem: Panamá. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Ana Endara Mislov.

O documentário panamenho “A felicidade do som” traça um mapa sonoro imaginário de três personagens: Eduardo Irving, um bombeiro que nunca teve que apagar um incêndio; Mir Rodriguez, operador de rádio numa embarcação de Greenpeace; e Carmen Magdalena, cega de nascimento.

Dirigido por Ana Endara Mislov, o longa panamenho acompanha essa rota estabelecida pelos sons na vida dos personagens em seus caminhos de esperanças, solidão e silêncios.

Inédito. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 00h00




Fonte: Fernando Chaves
Coordenador de Comunicação

Gerência de Comunicação
Empresa Brasil de Comunicação | TV Brasil | Rádios Nacional e MEC

Imprensa (2)Trailer/Divulgação

Imprensa (3) Teaser Trailer

Popular Posts

Google+ Followers