Our social:

sábado, 2 de abril de 2016

O doc nacional "Rainha Hortência & Magic Paula" estreia esta semana na TV Brasil (programação de 02 a 10 abril)



documentário nacional "Rainha Hortência & Magic Paula" sobre a genial dupla do basquete feminino brasileiro na década de 1990 e produções internacionais do Panamá, Cuba, Equador, Guatemala, México, Nicarágua e Paraguai estão na programação desta semana na TV Brasil. 

Neste sábado (2), às 22h, a emissora traz o longa brasileiro "Hércules 56". Já à 0h15, estreia o documentário panamenho "Herói Transparente". Em seguida, à 1h15, o destaque é o drama nacional "Nove crônicas para um coração aos berros".

Neste domingo (3), às 16h30, o canal apresenta a comédia "Jeca e seu filho preto", com Amácio Mazzaropi. Já à noite, à 1h30, a atração é o longa brasileiro "Questão Moral", com grande elenco. 

De segunda (4) para terça (5), à 1h, o documentário cubano "A Ilha e os Signos" traça um panorama sobre a vida e obra do cartógrafo Samuel Feijóo

De terça (5) para quarta (6), à 1h, o filme equatoriano "O Segredo da Luz" revela a história de vida do explorador sueco Rolf Blomberg que viajou pela América do Sul.

Já de quarta (6) para quinta (7), à 1h, vai ao ar o documentário "O voo de Azacuán", da Guatemala.

Na quinta (7), às 19h, o documentário "As Lutas de Adriana" apresenta a história de Adriana dos Santos Araújo, a primeira atleta brasileira a ganhar uma medalha olímpica no boxe nos Jogos de Londres em 2012. De quinta (7) para sexta (8), à 1h, é a vez do longa mexicano "A Nação Interior".

De sexta (8) para sábado (9), à 1h, o longa da Nicarágua "Miskitu" mostra os desafios de um povo indígena da América Central.

No sábado (9), às 15h, a TV Brasil estreia o documentário nacional "Rainha Hortência & Magic Paula" sobre a genial dupla do basquete feminino brasileiro na década de 1990. À noite, às 22h, a emissora exibe o drama "Paula, a história de uma subversiva", dirigido por Francisco Ramalho Jr. Mais tarde, à 0h15, vai ao ar o filme paraguaio "Fora de campo". Em seguida, à 1h15, o destaque é o premiado drama brasileiro "Em teu nome", de Paulo Nascimento.

Por fim, no domingo (10), às 16h30, é exibida a comédia nacional "O Grande Xerife", protagonizada pelo humorista Amácio Mazzaropi. Mais tarde, à 1h30 da madrugada, entra em cartaz o documentário "Kátia".
________________________________________________________________________

Filmes da TV Brasil 1 a 10 de abril de 2016

Sexta-feira, 1 de abril (madrugada de sexta-feira para sábado)

Os Caras da Esquina
01h00, na TV Brasil

Título original: Los Maes de la Esquina. País de origem: Costa Rica. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Juan Manuel Fernández.

Ambientado em La Carpio, comunidade na periferia de San José, capital da Costa Rica, o documentário apresenta o cotidiano de jovens que buscam sobrevier em meio à marginalização, à pobreza, e à indiferença social. Na região, moram mais de 35 mil pessoas que vivem em um clima de sufoco e desesperança.

Uma esquina da comunidade se tornou um ponto de encontro para Larry, Héctor, Douglas "O Transformer" e um grupo de adolescentes. Para eles esta esquina é sua última possibilidade, última via, não de fuga, mas de convívio sadio, e por que não, de salvação.

Douglas trabalhava como pintor de dia e roubava à noite enquanto Larry promovia brigas de rua e Héctor era viciado em drogas. O grupo social ajuda esses jovens que cresceram em uma realidade difícil.

Dirigido por Juan Manuel Fernández”, o documentário “Os Caras da Esquina” mostra que na interação os rapazes passam a se dedicar a atividades como o rap, o estudo e a fé.

Reprise. 54 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h00




Sábado, 2 de abril

Padilha, uma vida olímpica
15h00, na TV Brasil

Ano: 2014. Gênero: documentário. Direção: Marcelo Muller.

O documentário exalta a trajetória de Sylvio Padilha que dedicou sua vida ao olim­pismo no Brasil. Como atleta, ele foi a maior esperança do país nos anos 1930, che­gando à final olímpica dos 400 metros com barreiras nos Jogos de Berlim, 1936. Foi a primeira vez que um brasileiro se classificou para a final de uma prova olímpica de atletismo. Ele obteve a quinta colocação.

Apaixo­nado pelo esporte, o trabalho de Padilha como di­rigente esportivo foi tão marcante quanto a enorme coleção de troféus e medalhas conquistadas por ele dentro das pistas.

Em mais de 50 anos dedicados ao esporte, Padilha marcou seu tempo e pavimentou o futuro de um país olímpico.

Inédito. 26 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 15h00


Sábado, 2 de abril

Hércules 56
22h00, na TV Brasil

Ano: 2006. Gênero: documentário. Direção: Silvio Da-Rin, com Agonalto Pacheco, Flávio Tavares, José Dirceu, José Ibrahin, Maria Augusta Carneiro Ribeiro, Mario Zanconato, Ricardo Vilas, Ricardo Zarattini, Vladimir Palmeira, Luís Travassos, Onofre Pinto, Rolando Frati, João Leonardo Rocha, Ivens Marchetti, Gregório Bezerra, Cláudio Torres, Daniel Aarão Reis, Franklin Martins, Manoel Cyrillo, Paulo de Tarso Venceslau.

Em setembro de 1969, quando o Brasil era governado por uma Junta Militar, duas organizações revolucionárias aliaram-se para raptar o embaixador dos EUA, Charles Burke Elbrick, e exigiram a libertação de quinze presos políticos, que foram levados ao México pelo avião Hércules 56 da FAB.

Para rememorar o episódio e discutir as causas e consequências da luta armada naquela época, o filme traz à cena os nove remanescentes do grupo de presos e promove o reencontro de cinco membros das organizações responsáveis pelo sequestro.

Reprise. 94 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 22h00



Sábado, 2 de abril (madrugada de sábado para domingo)

Herói Transparente
00h15, na TV Brasil

Título original: Héroe transparente. País de origem: Panamá. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Orgun Wagua.

O documentário traça um perfil do General Victoriano Lorenzo. Ele tinha descendência indígena, foi guerrilheiro da Guerra dos Mil Dias e morreu fuzilado pela oligarquia antes do nascimento do Panamá como República.

O filme reconstrói a trajetória do herói e a obra de deu origem ao Canal do Panamá feita pelos norte-americanos em 1903 através de vários personagens que conheceram a história de Victoriano Lorenzo, um mito para o povo daquele país.

Um pintor indígena, um cacique indígena, um camponês, um violinista, um cantor de décimas e um ex-guerrilheiro contam passagens da vida do Herói Transparente. O documentário ainda investiga a realidade de luta diária do país que se orgulha de seu crescimento econômico e, paulatinamente, tenta eliminar a memória de seu povo.

Dirigido por Orgun Wagua, o longa apresenta histórias que se tecem para ressaltar a figura de Victoriano Lorenzo por meio da imaginação que cria o tempo na consciência dos panamenhos entre lembranças, versões e contradições.

Inédito. 52 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 00h15


Sábado, 2 de abril (madrugada de sábado para domingo)

Nove crônicas para um coração aos berros
01h15, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: drama. Direção: Gustavo Galvão, com Simone Spoladore, Júlio Andrade, Denise Weinberg, Leonardo Medeiros, Marat Descartes, Larissa Salgado, Mário Bortolotto, André Frateschi, Vinícius Ferreira, Vanise Carneiro, Rita Batata, Carolina Sudati, Paula Cohen, Felipe Kannenberg, Rejane Zilles, Cacá Amaral.

Em um surpreendente mosaico de relações e situações cotidianas, homens e mulheres de diferentes idades sentem uma intensa necessidade de se reinventar. Todos vivem o momento da guinada, cada um a seu modo.

Larissa não gosta mais de Mário; Leopoldo não sabe se vai ou se fica; Júlio mora com a mãe; Simone cansou de ser prostituta; Vanise descobriu o que significa ser mulher; Philipp não quer voltar para casa; Carol carrega um cemitério de lembranças; André quer fazer um som diferente; Denise decide viver novas experiências enquanto há tempo.

Longa de estreia do diretor Gustava Galvão, o drama “Nove Crônicas para um Coração aos Berros” tem no elenco Simone Spoladore, Júlio Andrade e Leonardo Medeiros. Com uma câmera inquieta, o filme ganhou prêmio de Melhor Direção no Festival de Cinema de Maringá.

Reprise. 84 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h15


Domingo, 3 de abril

Jeca e seu filho preto
16h30, na TV Brasil

Ano de estreia: 1978. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner. Codireção: Berilo Faccio, com Amácio Mazzaropi, Mazzaropi, Geny Prado, Yara Lins, Elizabeth Hartman, Denise Assunção.

Em plenos anos 1970, Amácio Mazzaropi, com seu jeito simples, falou às multidões sobre assuntos importantes como o preconceito racial. Neste filme, o saudoso humorista interpreta Zé, o pai de um rapaz (misteriosamente) negro.

O fato nunca pareceu lhe atormentar, mas incomoda os outros quando seu filho se enamora de uma moça branca filha de um rico fazendeiro.

Reprise. 104 min.
Classificação Indicativa: Livre.
Horário: 16h30




Domingo, 3 de abril (madrugada de domingo para segunda-feira)

Questão Moral
01h30, na TV Brasil

Ano: 2010. Gênero: drama. Direção: Scheila Feital, com Marco Ricca, Daniel Dantas, Rita Guedes, Vanessa Lóes, Ernane Moraes e Mylla Cristie.

Um detetive e encarregado de investigar a morte de uma jovem. Desiludido com a condução do inquérito tradicional, ele adota uma forma inusitada de investigação à caça do criminoso. Ao encontrar seu principal suspeito, ele se depara com uma questão moral: o hiato entre a justiça e a lei.

Dirigido por Scheila Feital, o drama “Questão Moral” recebeu apoio da Secretaria para o desenvolvimento Audiovisual do Minc. através do "Prêmio Resgate Cinema Nacional”. No elenco, o longa traz nomes como Marco Ricca, Daniel Dantas, Rita Guedes, Vanessa Lóes e Mylla Cristie.

Reprise. 81 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 01h30


Segunda-feira, 4 de abril (madrugada de segunda para terça-feira)

A Ilha e os Signos
01h00, na TV Brasil

Título original: La Isla y los signos. País de origem: Cuba. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Raydel Araoz.

O documentário traça um panorama sobre a vida e obra do cartógrafo Samuel Feijóo retratadas através de sua revista “Signos” e da cultura popular da região central de Cuba. A produção apresenta as festas e as pinturas para refletir sobre a vida do camponês. Nesse contexto, o ilme busca o Samuel mítico que ainda sobrevive na região.

O período de 1969 a 1985 marcou o início de uma nova cartografia de Cuba. Samuel Feijóo decidiu encontrar a Ilha mítica e, para isso, instalou-se no centro do país e publicou de maneira regular um livro de viagens, com aparência de revista, registando sua própria travessia pelo universo mitológico da cultura popular.

Vinte e quatro anos depois, um jovem deseja esboçar esse trajeto, seguindo a rota deixada por Feijóo em “Signos”. A ideia é que a jornada projete na tela o mapa do mundo mítico de Feijóo, sua vida, e sua entrada no imaginário popular.

Reprise. 52 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h00


Terça-feira, 5 de abril (madrugada de terça para quarta-feira)

O Segredo da Luz
01h00, na TV Brasil

Título original: El secreto de la luz. País de origem: Equador. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Rafael Barriga.

O documentário revela a história de vida do explorador sueco Rolf Blomberg recorda sua produção: seus livros, filmes, fotografias e ilustrações. Blomberg explorou o Equador como poucos e criou essa obra vasta e emocionante.

Em 1934, ele se debruçou sobre o estudo das Ilhas Galápagos. O explorador regressou muitas vezes ao local para filmar, escrever e fotografar os indígenas, os pescadores, as cidades e a selva. Blomberg chegou aonde muito poucos chegaram.

Este "vagamundo profissional", como dizia a si mesmo, viajou também por muitos outros lugares do mundo, porém o Equador foi o seu centro de operações, seu lar. No país da América Latina ele formou sua família e, apesar de tantos livros e tantos filmes, permaneceu como um desconhecido.

Dirigido por Rafael Barriga, o documentário "O Segredo da Luz" investiga a trajetória do explorador através de sua obra. Montado exclusivamente a partir do enorme legado visual de Blomberg, o longa alcança outros tempos e indaga um olhar que, apesar do passar desses tempos, permanece intacto. A produção revela como a representação de identidade de todo um país pode ser diferente.

Reprise. 54 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h00


Quarta-feira, 6 de abril (madrugada de quarta para quinta-feira)

O voo do Azacuán
01h00, na TV Brasil

Título original: O voo do Azacuán. País de origem: Guatemala. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Rafael de Jesús Quinteros González.

A cada ano, milhões de pássaros migratórios atravessam os platôs da América do Norte para se distanciarem do frio do inverno. Em seu passo migratório atravessam um ponto das montanhas de Huehuetenango, um estado da Guatemala.

Esta região é habitada por uma população maia que tem uma cultura mítica cheia de histórias e crenças ancestrais. Eles praticam o chibal, a arte de caçar pássaros que servem como alimento quando o plantio de trigo e milho estão escassos.

No documentário “O voo do Azacuán”, aves e seres humanos mostram a grandeza contida na busca por prolongar a vida. Um drama no qual o obscuro e o luminoso do ser humano se cruzam com a fragilidade e a nobreza de uma natureza aberta à vida e exposta aos riscos de compartilhar os mesmos espaços com aqueles que podem incidir em seu destino.

Reprise. 52 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h00


Quinta-feira, 7 de abril

As Lutas de Adriana
19h00, na TV Brasil

Título original: La nación interior. País de origem: México. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Bulmaro Osornio Morales.

O documentário explora uma nação em constante interrogação sobre sua identidade. A produção e a sensibilidade do pintor mexicano Daniel Lezama são o eixo de um relato de supervivência e reconciliação.

A produção é um ensaio confessional que transita para a região interior em que a história social, a nação mexicana, o território existencial e a esfera do corpo constituem a olhada e o pulso de um dos artistas mais importantes da cena plástica do país.

O filme realiza o seguimento de três personagens cujo espectro vital é o eco do imaginário de Lezama: Rebeca, empregada de uma pensão-prostíbulo; Fausto, velho derrotado e solitário; e Sofía, adolescente cantora de transporte público, símbolo daquela que dá consolo.

Dirigido por Bulmaro Osornio Morales, o longa “A Nação Interior” é a aproximação a um criador que escolheu um sistema artístico cuja relevância é encontrar uma promessa em que se supõe que já não existe.

Reprise. 26 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 19h00



Quinta-feira, 7 de abril (madrugada de quinta para sexta-feira)

A Nação Interior
01h00, na TV Brasil

Título original: La nación interior. País de origem: México. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Bulmaro Osornio Morales.

O documentário explora uma nação em constante interrogação sobre sua identidade. A produção e a sensibilidade do pintor mexicano Daniel Lezama são o eixo de um relato de supervivência e reconciliação.

A produção é um ensaio confessional que transita para a região interior em que a história social, a nação mexicana, o território existencial e a esfera do corpo constituem a olhada e o pulso de um dos artistas mais importantes da cena plástica do país.

O filme realiza o seguimento de três personagens cujo espectro vital é o eco do imaginário de Lezama: Rebeca, empregada de uma pensão-prostíbulo; Fausto, velho derrotado e solitário; e Sofía, adolescente cantora de transporte público, símbolo daquela que dá consolo.

Dirigido por Bulmaro Osornio Morales, o longa “A Nação Interior” é a aproximação a um criador que escolheu um sistema artístico cuja relevância é encontrar uma promessa em que se supõe que já não existe.

Reprise. 52 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h00



Sexta-feira, 8 de abril (madrugada de sexta-feira para sábado)

Miskitu
01h00, na TV Brasil

Título original: Miskitu. País de origem: Nicarágua. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Rebeca Arcia.

O documentário apresenta a cultura e a migração do povo miskito. A produção acompanha três personagens através dos quais é possível compreender a trajetória de uma população tradicional que luta por conservar sua identidade, mesmo estando fora de sua comunidade natal.

O longa conta a história de três indígenas miskitos que migram para Manágua, a capital da Nicarágua. Um jovem universitário, um reverendo e uma mulher promotora da leitura introduzem o telespectador nas tradições e no contexto do povo miskitu.

Os miskitos são o maior povo originário da Nicarágua que sobreviveu à colonização espanhola e inglesa. Atualmente, estimam-se que mais de 120 mil miskitos vivam somente no território nicaraguense, sendo que, destes, mais de seis mil emigraram a Manágua.

O filme tem como cenários o litoral caribenho da Nicarágua onde habita o povo e Manágua, a capital do país, cidade a que muitos emigram em busca de melhores oportunidades, mostrando esse contraponto entre o Pacífico e o Caribe, tanto em paisagens, cultura e arquitetura.

A língua miskita é o elemento cultural que mais identifica os miskitos e, por isso, a diretora Rebeca Arcia rodou as histórias em língua miskita, a fim de “contribuir para mantê-la viva e que se escute este idioma na América Latina através deste documentário”, sendo palavras da cineasta. “Miskitu” é o longa de estreia da jovem Rebeca Arcia

Reprise. 52 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h00


Sábado, 9 de abril

Rainha Hortência & Magic Paula
15h00, na TV Brasil

Ano: 2014. Gênero: documentário. Direção: Rubens Rewald.

Hortência e Paula, duas das maiores jogadoras de basquete de todos os tem­pos no mundo, fizeram parte da mais vitoriosa geração do basquetebol femi­nino do Brasil na década de 1990

Conhecida como a "Rainha" das quadras, Hortência foi dona da camisa 4 da seleção por quase 20 anos e formou ao lado de "Magic" Paula uma dupla genial, que foi capaz de lotar ginásios em todo o país.

As duas integraram o time feminino de basquete que conquistou a medalha de prata nas olimpíadas de Atlanta, nos Estados Unidos, em 1996. Com uma ótima campanha e uma equipe focada, as brasileiras caíram diante da seleção americana, mas mesmo assim foi um grande vitória, sendo essa a primeira medalha olímpica conquistada pelas meninas do basquete feminino brasileiro.

Dirigido por Rubens Rewald, o documentário “Rainha Hortência & Magic Paula” conta a história das duas atletas, recorda e rivalidade e a incrível geração que jogou com as craques e fez história pela seleção brasileira feminina de basquete nos anos 1990.

Inédito. 26 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 15h00




Sábado, 9 de abril

Paula, a história de uma subversiva
22h00, na TV Brasil

Ano: 1979. Gênero: drama. Direção: Francisco Ramalho Jr., com Walter Marins, Armando Bógus, Marlene França, Regina Braga, Carina Cooper, Helber Rangel, Ilana Scherl, Hugo Della Santa.

O arquiteto Marco Antônio (Walter Martins) enfrenta problemas no trabalho e está vivendo um momento de crise amorosa com a fotógrafa Bia (Regina Braga), uma jovem de temperamento instável. Ele é informado por sua ex-mulher Marta (Marlene França) que a filha do casal, uma menina de quinze anos, desapareceu após ter ido a uma festa.

Com isso, contrata os serviços do policial Oliveira (Armango Bogus) que reconhece Marco Antônio, pois o policial o perseguiu quando o arquiteto era um estudante engajado. Ao se encontrar com o policial, Marco Antonio se lembra de quando o conhecera, há dez anos. Naquela época, Oliveira (Armando Bógus) era um violento agente do DOPS que perseguia e torturava militantes dos movimentos estudantis contrários ao regime de governo da época.

Oliveira fora o principal algoz de Paula (Carina Cooper), ex-aluna e amante de Marco Antonio. A procura pela filha, traz lembranças do passado de Marco: sua militância e seu grande amor.

Dirigido por Francisco Ramalho Jr., o drama “Paula, a história de uma subversiva” é estrelado por Walter Marins, Armando Bógus, Marlene França, Regina Braga, Carina Cooper.

Inédito. 93 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 22h00



Sábado, 9 de abril (madrugada de sábado para domingo)

Fora de campo
00h15, na TV Brasil

Título original: Fuera de campo. País de origem: Paraguai. Ano de estreia: 2014. Gênero: documentário. Direção: Hugo Giménez.

O documentário volta a cidade de Curuguaty, palco de um massacre entre camponeses e forças do estado paraguaio em 2012. A ideia da produção é trazer as pessoas de volta para o campo e dar voz às vítimas silenciadas pelo ataque.

Dirigido por Hugo Giménez, o filme faz uma viagem entre as imagens na tentativa de completá-las onde a dor e a ausência ainda pesam. Uma imagem nunca é portadora da totalidade de seu significado.

Inédito. 52 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 00h15


Sábado, 9 de abril (madrugada de sábado para domingo)

Em teu nome
01h15, na TV Brasil

Ano: 2009. Gênero: drama. Direção: Paulo Nascimento, com Leonardo Machado, Fernanda Moro, César Troncoso, Nelson Diniz, Silvia Buarque, Marcos Paulo, Julia Feldens, Sirmar Antunes, Marcos Verza, Gilberto Perin, Jeffersonn Silveira.

Nos anos 1970, a América Latina vivia um período de ditaduras militares. Alguns tentavam resistir. Entre eles, Boni, um estudante de engenharia que entra na luta armada contra o governo, mas carrega dúvidas sobre se esta é a melhor forma de agir.

Cecília, sua namorada, quer viver a vida "como todos os outros" estão vivendo na época. Boni é preso, torturado e expulso do país. Cecília vai atrás dele e passam a viver tempos de fuga, mas também de amor no Chile, Argélia e, finalmente, Paris, onde Boni se torna o presidente do Comitê pela Anistia, onde começam a preparar a volta para casa.

Dirigido por Paulo Nascimento, o drama “Em teu nome” ganhou vários prêmios no Festival de Gramado. O longa foi reconhecido nas categorias Melhor Música, Melhor Ator (Leonardo Machado) e Melhor Diretor (Paulo Nascimento). O filme ainda conquistou o Prêmio Especial do Júri.

Reprise. 102 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
Horário: 01h15


Domingo, 10 de abril

O grande Xerife
16h30, na TV Brasil

Ano de estreia: 1972. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner, com Amácio Mazzaropi, Patricia Mayo, Paulo Bonelli, Tony Cardi, Augusto César Ribeiro.

Mazzaropi interpreta um viúvo pai de Mariazinha. Ele é o morador mais antigo de Vila do Céu onde vive cuidando da vida dos outros. Um dia, chega na cidade, disfarçado de padre, o bandidão João Bigode.

O maldoso mata o xerife e põe Poróroca em seu lugar. A confusão está armada e só o nosso Grande Xerife pode proteger a cidade.

Reprise. 95 min.
Classificação Indicativa: Livre.
Horário: 16h30









Domingo, 10 de abril (madrugada de domingo para segunda-feira)

Kátia
01h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: documentário. Direção: Karla Holanda.

Kátia Tapety é o personagem central deste filme. Nascida José, em Colônia do Piauí, município nordestino que tem 8 mil habitantes, Kátia tornou-se a primeira travesti a ser eleita a um cargo político no Brasil, exercendo mandatos como vereadora e vice-prefeita

O filme dirigido por Karla Holanda é resultado de 20 dias de convívio com ela no sertão pianuiense. A produção recebeu o prêmio de melhor longa na 8ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos da América do Sul.

Inédito. 74 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 01h30

______________________________________________________________________
Fonte: Fernando Chaves /Coordenador de Comunicação

Gerência de Comunicação
Empresa Brasil de Comunicação|TV Brasil


Imprensa (2)Trailer/Divulgação

Imprensa (3) Teaser Trailer

Popular Posts

Google+ Followers