Our social:

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

'LOS SILENCIOS', DE BEATRIZ SEIGNER, CONQUISTA PRÊMIOS NO FESTIVAL DE BRASÍLIA

"Los Silencios", de Beatriz Seigner ("Bollywood Dream - O Sonho Bollywoodiano") conquistou prêmios de melhor direção (Beatriz Seigner) e melhor filme pela crítica da Abraccine no 51º Festival de Brasília. Agora o filme segue para os festivais de cinema de San Sebastián, Biarritz, Haifa (Israel), Vancouver, Noruega, China e Índia. O longa estreou na Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes.

“É emocionante participar desta edição histórica do festival, onde, frente ao fascismo crescente que vemos crescendo no Brasil, pudemos ouvir tantos corpos e vozes que tentam calar: mulheres, negrxs, indígenas, lgbttqs+, criando o imaginário do mundo onde queremos viver e criar nossos filhxs.”, comenta a diretora.

O filme conta a história de Amparo (Marleyda Soto), que tem que lidar com o desaparecimento da filha e do marido (Enrique Diaz), enquanto espera seus documentos para passar pela fronteira entre o Brasil, a Colômbia e o Peru, fugindo dos conflitos armados na região. Para o roteiro do filme, que também é assinado por Beatriz, a diretora conversou com cerca de 80 famílias colombianas vivendo no Brasil e na região da fronteira. Com uma equipe formada majoritariamente por mulheres, Sofia Oggioni assina a direção de fotografia, Renata Maria foi responsável pela montagem, a direção de arte ficou a cargo de Marcela Gómez, Ana María Acosta assina o figurino, e Mari Figueiredo, a maquiagem.
A Miríade Filmes e a Enquadramento Produções assinam a produção junto com a conceituada produtora francesa Ciné-Sud Promotion e a colombiana DíaFragma Fábrica de Películas. O filme foi destacado como uma das cinco produções brasileiras para se ficar de olho pela revista do Marché du Film do Festival de Cannes. O Canal Brasil assina a coprodução. “Los Silencios” é uma codistribuição da Descoloniza Filmes com a Vitrine Filmes.
SINOPSE:
Nuria, Fábio e sua mãe Amparo (Marleyda Soto) chegam a uma pequena ilha no meio da Amazônia, na fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. Eles fugiram do conflito armado colombiano onde o pai (Enrique Diaz) desapareceu. Certo dia, ele reaparece na nova casa de palafitas. A família é assombrada por esse estranho segredo e descobre que a ilha é povoada por fantasmas.

 ELENCO:
Marleyda Soto (Amparo)
Enrique Diaz (Adão)
María Paula Tabares Peña (Núria)
Adolfo Savinvino (Fábio)
Astrid Fernanda López Martínez (Exlendy)
Doña Albina (Abuelita)
Yerson Castellanos (Coyote)
Heider Sanchez (Presidente da Ilha)
Leidy Prieto Echeverry (Vendedora de Arepas)
Alida Pandurro (Maria)
José Manuel Ortega (Señor Sisisi)

FICHA TÉCNICA:
Roteiro e Direção: Beatriz Seigner
Produção: Beatriz Seigner, Leonardo Mecchi, Thierry Lenouvel, Daniel Garcia
Produção Executiva: Leonardo Mecchi
Direção de Produção: Sidney Medina, Maria Fernanda Henao
Direção de Fotografia: Sofia Oggioni
Direção de Arte: Marcela Gómez
Figurino: Ana María Acosta
Maquiagem: Mari Figueiredo
Técnico de Som: Gustavo Nascimento
Montagem: Renata Maria
Still/Making Of: Juliana Vasconcelos
Empresas produtoras: Miríade Filmes, Enquadramento Produções, Ciné-Sud Promotion, DíaFragma Fábrica de Películas
Coprodução: Canal Brasil
Distribuidora: Descoloniza Filmes e Vitrine Filmes

COPRODUÇÃO / CANAL BRASIL
Canal Brasil tem um papel fundamental na produção e coprodução de longas-metragens, história que começou em 2008 com “Lóki – Arnaldo Baptista”, de Paulo Henrique Fontenelle, que mostrou a vida do eterno mutante. Agora em 2018, o canal atinge a marca de 300 filmes. Sair do campo da exibição e partir também para feitura fez com que o Canal Brasil atingisse em poucos anos uma importância imensurável dentro do cenário do cinema brasileiro recente. Entre os longas recém coproduzidos estão “Animal Cordial” de Gabriela Almeida; “Aos Teus Olhos”, de Carolina Jabor; “Canastra Suja” de Caio Soh; “Tungstênio” de Heitor Dhalia e “Berenice Procura” de Allan Fiterman.

DISTRIBUIDORA / VITRINE FILMES
Em oito anos, a Vitrine Filmes distribuiu mais de 120 filmes. Entre seus maiores sucessos estão "Aquarius" e "O Som ao Redor", de Kleber Mendonça Filho, "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho", de Daniel Ribeiro e o americano "Frances Ha", dirigido por Noah Baumbach, indicado ao Globo de Ouro em 2014.
Em 2017, a Vitrine lançou "O Filme da Minha Vida", terceiro longa como diretor de Selton Mello, e "Divinas Divas", dirigido por Leandra Leal, o documentário mais visto no ano.
Alguns dos mais importantes lançamentos deste ano da Vitrine foram "Paraíso Perdido", de Monique Gardenberg, "O Processo", de Maria Augusta Ramos, que já está entre os 10 documentários mais vistos da história do cinema nacional e "Benzinho", dirigido por Gustavo Pizzi e protagonizado por Karine Teles, exibido no Festival de Sundance.

DISTRIBUIDORA / DESCOLONIZA FILMES
Fundada em 2017 por Ibirá Machado, em sociedade com a cineasta Beatriz Seigner, a Descoloniza Filmes nasceu com o propósito de equiparar a distribuição de filmes dirigidos por mulheres e que tragam novas propostas narrativas e temáticas, contribuindo com a construção de uma nova forma de pensar.
Em 2018, a Descoloniza lançou o filme argentino "Minha Amiga do Parque", de Ana Katz, vencedor do prêmio de melhor roteiro no Festival de Sundance, "Híbridos - Os Espíritos do Brasil", de Priscilla Telmon e Vincent Moon, o chileno "Rei", de Niles Attalah, vencedor do grande prêmio do júri no Festival de Roterdã, e "Como Fotografei os Yanomami", de Otavio Cury.



Fonte: Marcela Salgueiro/ Primeiro Plano Assessoria de Imprensa