Our social:

domingo, 8 de outubro de 2017

'Entre irmãs', novo filme de Breno Silveira, estreia 12 de Outubro

Longa aborda preconceito racial e terapias de reversão sexual 
no nordeste brasileiro dos anos 1920/30

Duas irmãs, órfãs de pai e mãe, criadas por uma dedicada tia no sertão de pernambuco, têm seus destinos marcados pelo cangaço e por uma sociedade preconceituosa e machista. Com roteiro de Patricia Andrade, inspirado no livro "A Costureira e o Cangaceiro" de Frances de Pontes Peebles,  "Entre irmãs" é o quinto longa-metragem de Breno Silveira (2 filhos de Francisco, à beira da Estrada, Era uma vez, Gonzaga - de pai pra filho). Estrelado por Marjorie Estiano (Emília) e Nanda Costa (Luzia), o filme aborda a luta de duas mulheres para conquistar o amor, o respeito e a independência num cenário adverso, em meio a política dos coronéis no Estado Novo e a perseguição aos movimentos de banditismo social no nordeste brasileiro. Também trata do preconceito racial, potencializado com o surgimento de teorias racistas como a frenologia, além de discutir sobre as pseudoterapias de reversão sexual.

Na infância, Luzia (Nanda Costa) sofre um acidente que marcará para sempre a sua vida, o que a torna uma pessoa amarga. Por outro lado, Emília (Marjorie Estiano) sonha em se casar com um príncipe encantado e ir morar na capital. Com a chegada do bando de Carcará a cidade de Taquaritinga tudo muda. As duas irmãs se separam. Luzia é levada pelos cangaceiros enquanto Emília se casa e vai para Recife. A partir daí, essas mulheres viverão em mundos distantes, mas sem nunca perder o elo que as unem. 

O roteiro retrata o contexto político dos anos 1920/1930, com a ascensão do governo Vargas e a caça aos cangaceiros, que desafiavam o poder dos coronéis. Nos centros urbanos, parte da elite intelectual acompanhava as teorias eugênicas que proliferavam na Europa, como a frenologia

Muito popular na segunda metade do século XIX, a frenologia foi lançada no livro "Crania Americana" pelo médico norte-americano Samuel George Morton (1839), afirmando que os caucasianos tinham a estrutura craniana mais complexa e avançada, que os tornavam mais inteligentes que indivíduos de origem diversa, como populações indígenas, africanas, mongóis e demais nativos do continente americano.  Tal argumento fez sucesso nos EUA e em diversos países da Europa, como Alemanha, França e Rússia, chegando ao Brasil no final do século XIX. 

A frenologia tinha a pretensão de determinar as características de personalidade, caráter e grau de criminalidade dos indivíduos através do estudo do crânio humano. Um de seus adeptos mais famosos foi o italiano Cesare Lombroso (1876), que analisava os crânios de criminosos executados. Essa pseudociência foi utilizada para justificar a escravidão e a submissão de indivíduos de diferentes etnias em prol da pretensa superioridade de uma elite ariana. Essa teoria resistiu por cerca de 150 anos, dando espaço para ideologias racistas e suas práticas eugênicas, como o nazismo e o facismo. Somente em 1981, o caráter científico da frenologia foi solidamente refutado no livro  "A falsa medida do homem", de Stephen Jay Gould. O teórico da Universidade de Harvard demonstrou que não havia relação entre raças, classes, sexos e seu nível de inteligência. 

Além do preconceito racial, o filme também coloca em pauta a discussão das pseudoterapias de reversão sexual. Para a sociedade conservadora da época, a homossexualidade era encarada como psicopatia a ser tratada nos manicômios. Essa visão preconceituosa da homossexualidade como doença nos anos de 1930, retratada no filme de Breno Silveira, ainda persiste em pleno século XXI. Recentemente, uma decisão judicial no Brasil causou uma onda de indignação nas redes sociais sobre a chamada "cura gay". 

Entre preparação e set, a equipe levou 13 semanas para concluir as filmagens, que aconteceram entre outubro e novembro de 2016. Breno Silveira contou com uma equipe de aproximadamente cem profissionais, trabalhando em locações nas cidades de Piranhas (interior do Alagoas), Olinda e Recife (interior de Pernambuco). Além do elenco principal, mais de 2 mil figurantes participaram da produção, que inclui cenas de batalhas e campos de refugiados no sertão. Também foram utilizados efeitos visuais especializados, como a reconstituição da chegada do Zepellin à capital pernambucana, que fazia a rota Europa-Brasil, na década de 1930.  

Além de dirigir, Breno Silveira também assina a produção, juntamente com os produtores executivos Gustavo Baldoni, Eliana Soaréz, Leonardo M. Barros, Maria Amélia Teixeira e Renata Brandão. O longa-metragem foi financiado com recursos incentivados através da Lei do Audiovisual, com patrocínio da Copergás, e do Fundo Setorial (FSA), através do Prodav 06/2014 (SUAT).

O elenco conta ainda com as presenças de Angelo Antônio, Julio Machado, Romulo Estrela, Letícia Colin, Gabriel Stauffer,  Claudio Jaborandy, Cyria Coentro, Fábio Lago, Rita Assemany, Claudio Ferrario e Vinicius Nascimento. 

Com estreia marcada para o dia 12 de outubro, o longa está na programação do Festival do Rio 2017. "Entre irmãs" é uma produção Conspiração Filmes, coprodução Globo Filmes com distribuição Sony Pictures e codistribuição H2O Films.

Elisabete Estumano Freire. 


Popular Posts

Google+ Followers